segunda-feira, 2 de janeiro de 2017


QUE REI SOU EU?

Eu só digo uma coisa para quem ler esse texto: Calma, essa porra pode dar certo.
Se tu tens um filho que quer ser o que tu nunca ouviu ou se tu és uma pessoa que sempre teve um sonho, mas nunca ninguém te incentivou, deixa acontecer porque pode dar certo. Vai que dá e tu começa a ter a vida que sonhou? Então pelo menos acredita e faz uma força pra dar certo.
Imagina se o pai do Bill Gates, do Steve Jobs, ou mesmo do Willis Carrier e do Thomas Edisson impedissem eles de fazer o que sonhavam, nós teríamos como grandes milionários do mundo o dono da Barça, da fábrica de ventilador e da fábrica de lamparina a querosene.  
No início dos anos 2000 começaram as palestras motivacionais e muito consultor ganhou dinheiro motivando gente “sem motivação”.
Há uns cinco anos começou a febre dos Coaching que com 5% do trabalho nos faz produzir os outros 95% daquilo que queremos.
Na verdade a gente aprendeu a ser preguiçoso, desmotivado e ser aquilo que nos dizem pra ser ou fazer. Esse pessoal todo ganha muito dinheiro porque “a gente que nasceu antes da década de 2000” não foi acostumado a fazer o que vem na cabeça. Mesmo os mais revoltados tiveram que um dia se enquadrarem pra conseguir sobreviver.
Quando eu era criança a Globo sempre colocava uma propaganda mostrando o Prêmio Operário Padrão. Eu achava aquilo muito legal porque mostrava um pessoal que, além de trabalhar bem, cumpria todas as regras da empresa e ainda diziam que eram inovadores, mas nunca soube qual era a inovação.
Eu não acho isso ruim não, até porque todo modelo de profissional é bem vindo e cada pessoa tem que descobrir qual modelo se encaixa melhor na sua vida.
O que eu não gosto é quando insinuam que eu não sou um bom funcionário para o mercado porque eu não me encaixo em algumas regras. Ora, assim como o mercado não é obrigado a me contratar, eu também não posso ser obrigado a aceitar tudo como é.
Mas, obviamente, como todo ser provido antes de 2000, que na sua maioria das vezes é contratado por um ser que também nasceu antes de 2000 e que muitas vezes também teve que se adequar e aceitar o modelo, eu também me adéquo à regra geral.
Mas como ninguém vive aceitando tudo que não gosta sem um dia sentir que a coisa vai sair do controle, eu também to naquele momento em que “ou eu começo a fazer aquilo que me dá felicidade ou eu aceito de vez aquilo que querem que eu seja e sigo em frente”.
Ou mesmo nem uma coisa nem outra ou as duas coisas ao mesmo tempo, que acho que deve ser a primeira opção na hora da mudança.

O importante é a gente saber a hora de fazer e descobrir como fazer. Às vezes a mudança está no meso lugar, às vezes ela tá sendo preparada para acontecer em um novo lugar. Não importa, o importante é se mudar a cada tempo, pois o tempo é curto e a vida foi feita pra ser vivida de uma forma diferente todos os dias.



quarta-feira, 30 de novembro de 2016


O DIA QUE NÃO TERMINOU

A história começa numa segunda a tarde, onde tudo parece normal, todos parecem fazer o que sempre fizeram, os procedimentos parecem estar dentro do conforme, mas não sabem que mais adianta se iniciaria o dia 29 de novembro de 2016, o dia quem não terminou.
O dia que levaria para um segundo plano 71 pessoas que faziam do esporte suas vidas. Que ironia, suas vidas, pois mudaram de plano justamente por aquilo que os fazia sentir vivos.
Cada um com sua história, cada um com seus sonhos, cada um com seu desejo de vencer, mas todos com o mesmo destino.
Nessa hora não importa mais que teve culpa, quem deveria ter ido e ficou, quem deveria ter ficado e foi. O que fica é que todos, de uma forma que nós aqui embaixo não sabemos, tinham suas vidas interligadas e tinham que passar esse último momento juntos.
Uma história que começa em Chapecó, mas que se espalharia pelo Brasil, agregando pessoas para fazerem parte do momento mais marcante do esporte mundial. Todos, direta ou indiretamente, foram atrás de uma taça, mas mal sabiam eles que encontrariam algo muito maior.
Tudo passa, mas 71 pessoas mudaram, nem que seja por algum tempo, o modo de ver o mundo. Mostraram que ainda há solidariedade, que ainda há companheirismo, que ainda há gente de carne e osso.
Como escreveu um anônimo, a Chapecoense subiu da D para a C, subiu da C para a B e subiu da B para a A e subiu tão alto que chegou ao céu. Como não lembrar de Caio Junior, Bruno Rangel, Kempes, Ananias, Danilo, Cleber Santana, Gil, Lucas Gomes, Thiego, Josimar e todos os outros membros da Chapecoense; como não lembrar do polêmico Delfin de Pádua Peixoto Filho, como não lembrar de Mário Sérgio, Paulo Júlio Clement, Vitorino Chermont, Giovani Klein, Guilherme Marque e todos os outros profissionais de imprensa.
Semanalmente eles entravam nas nossas casas e nós já estávamos acostumados com eles. O que eu faço agora?
Enfim, como diz o trecho da música dos Detonautas escrita abaixo, eles vão acordar de uma situação que parecia o fim para um novo recomeço e vão pensar:

“Me sinto tão estranho aqui, que mal posso me mexer irmão;
No meio dessa confusão, não consigo encontrar ninguém;
Onde foi que você se meteu, então?
To tentando te encontrar;
To tentando me entender;
As coisas são assim.”

Deus espera vocês. Parabéns pelo tempo que estiveram por aqui




*Esse texto foi publicado no mesmo horário que deveria começar o jogo do Atlético Nacional (Col) X Chapecoense (Bra).

sexta-feira, 4 de novembro de 2016



AGORA É 2018

Todos os presidentes estaduais de partidos políticos, após as eleições municipais, dizem que a eleição que passou não tem nada a ver com a sucessão de 2018. Mas não é bem assim, principalmente nas maiores cidades de Santa Catarina. Cidades como Florianópolis, Chapecó, Criciúma e Joinville aparecem como os QGs centrais dos mandatários das próximas candidaturas, no caso o Governador Raimundo Colombo e o deputado estadual Gelson Merísio, do PSD, e o vice-governador Eduardo Pinho Moreira e o deputado federal Mauro Mariani do PMDB.

QUEM VENCEU

Sem dúvida que o maior vencedor da eleição municipal em SC em 2016 é o PMDB, que aumentou o número de prefeituras no estado e venceu nas cidades de Florianópolis, Joinville e Itajaí e ainda fechou acordo com o PSDB em Blumenau, onde apoiou o prefeito Napoleão Bernardes.


QUEM PERDEU

Os maiores derrotados nesse ano foram o Governador Raimundo Colombo e o deputado estadual Gelson Merísio, articuladores das candidaturas de Darci de Matos (Joinville), Ângela Amin (Florianópolis) e Jean Kuhlmann (Blumenau). Perderam nas três, tendo êxito apenas nas regiões Oeste e no Planalto Serrano, suas regiões de origem. Ficaram enfraquecidos no Vale do Itajaí, Sul do estado e Grande Florianópolis.

ACORDO

O Presidente estadual do PSDB, deputado Marcos Vieira, afirmou logo após o fim do segundo turno que não tem acordo com ninguém para 2018 e que a prioridade do partido é uma candidatura própria nas próximas eleições.
A coisa não é bem assim, pois houve troca de gentilezas em Blumenau, onde o PMDB apoiou Napoleão Bernardes, e em Florianópolis, onde o PSDB apoiou Gean Loureiro.
A estratégia é a mesma de 2002, quando o PSDB deixou a base do governo de Esperidião Amin e foi apoiar Luiz Henrique da Silveira, sendo o fiel da balança naquela eleição. Na época, o presidente era o atual Senador Dalírio Beber e PMDB e PSDB continuam juntos até hoje.

MOBILIZAÇÃO

Agora as conversas começam a acontecer na Assembleia Legislativa para a costura de acordos para a sucessão do Governador Raimundo Colombo. Se a eleição fosse hoje, teríamos como prováveis candidatos o Deputado Estadual Gelson Merísio pelo PSD, apesar de ter uma ala que queira outros nomes como o dos Deputados João Rodrigues e João Paulo Kleinubing. Já no PMDB os nomes que aparecem na ponta são do vice-governador Eduardo Pinho Moreira e do Deputado Federal Mauro Mariani, mas Dário Berger corre por fora. No PSDB Paulo Bauer, que mostrou pouca força em 2012, também anda forte, assim como do Senador Dalírio Beber, que prefere colocar seu pupilo, o Prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes, como uma nova opção dos tucanos.

O PP parece ter como única opção o Deputado Federal e ex-governador Esperidião Amin; o PSB tem como opção mais oxigenada o prefeito eleito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira, mas ele não irá pensar em outra opção senão administrar a cidade do litoral, sobrando para Paulinho Bornhausen assumir, se for o caso, essa candidatura. Mas Paulinho Bornhausem deve mesmo lutar por uma candidatura a vice em uma chapa com um dos grandes. O PR tem como nome forte o Deputado Jorginho Melo, o PDT tem o deputado estadual Rodrigo Minotto e o PCdoB deve insistir com Ângela Albino. PSOL e Rede estão, aos poucos, ocupando o lugar do PT numa ala mais esquerdista e podem surpreender.

Já o PT, que foi o grande derrotado no Brasil, está entre a cruz e a espada, pois não tem um nome de peso capaz de despertar a vontade das demais coligações e também de conseguir uma votação expressiva numa eventual candidatura própria.
Aliás, internamente, o PT sofre com a articulação de alguns políticos com mandato para a criação de um novo partido para poderem sobreviver em 2018, pois ninguém quer ter a obrigação de levar Lula nas costas como candidato a presidente em 2018. O importante é que o cenário político, a partir de janeiro de 2017, começa a ferver, pois a Lava Jato pode e deve mexer com o atual cenário porque muita gente terá que se explicar para o Juiz Sérgio Moro e para o STF.  


segunda-feira, 31 de outubro de 2016



RESULTADOS EM SC

Florianópolis
Gean Loureiro (PMDB) – 111.943 (50,26%)
Ângela Amin (PP) – 110.790 (49,74%)
Brancos – 10.358 (3,91%)
Nulos – 31.988 (12,07%)
Votos Válidos – 222.733 (84,03%)

Blumenau
Napoleão Bernardes (PSDB) – 104.535 (57,56%)
Jean Kuhlmann (PSD) – 77.073 (42,44%)
Brancos – 5.534 (2,72%)
Nulos – 16.302 (8,01%)
Votos Válidos – 181.608 (89,27%)

Joinville
Udo Dohler (PMDB) – 171.217 (50,60%)
Darci de Matos (PSD) – 136.702 (44,40)
Brancos – 7.340 (2,20%)
Nulos – 18.113 (5,43%)
Votos Válidos – 307.919 (92,36%)

ANÁLISES

Florianópolis nunca tinha visto uma eleição tão disputada. Houve choro e comemoração de ambos os lados, mas no fim Gean Loureiro levou por 0,52%, isso dá 1153 votos. A virada aconteceu por causa dos votos do sul da ilha, que foram computados por último. Gean Loureiro, depois da segunda tentativa, onde em 2012 perdeu para Cesar Souza Junior e João Amin, filho de Ângela, conseguiu ser prefeito de Florianópolis com um desafio de fazer obras em todos os bairros, conforme suas propostas de campanha, mesmo com um déficit de caixa da Prefeitura de R$ 95 milhões.

·        
Em Blumenau deu o que todos já imaginavam e previam. Napoleão Bernardes se reelegeu com boa margem de vantagem e sem sustos. Agora a expectativa é que seu segundo mandato seja melhor que o primeiro, pois assuntos como a Ponte do Centro e novos ônibus e nova licitação do transporte público devem sair do papel já em 2017. Mas também tem o prolongamento da Humberto de Campos e a nova Feira Livre que também fazem parte da lista de obras quase garantidas. Provavelmente o calcanhar de Aquiles da administração Napoleão/Mário Hildebrandt deva ser mesmo as vagas em creches e os problemas na saúde, pois o fluxo de caixa está baixo e pode comprometer.



·       
  Em Joinville o eleitor continua conservador e preferindo não arriscar. Udo Dohler reelegeu-se com uma diferença de 34.515 votos de frente. Apesar das pesquisas darem uma eleição apertada até o fim, Darci de Matos não teve fôlego para acompanhar e Udo continua a sua gestão enfrentando também, como em várias cidades, a falta de dinheiro para tocar a área de saúde, ponto mais crítico da primeira gestão. A principal promesse de Udo Dohler é continuar com a gestão pé no chão, mantendo investimentos e desonerando a máquina pública.





NOVOS VALORES DE MULTAS


Os novos valores valerão a partir do próximo dia 5 de novembro, pois a Presidenta Dilma assinou a lei em 5 de maio deste ano e elas terão validade após 180 dias da assinatura do decreto.


sexta-feira, 28 de outubro de 2016


AGORA É SIMPLES

A Escola Superior de Cerveja e Malte, de Blumenau, publicou na sua página do facebook uma boa notícia para os mestres cervejeiros do Brasil. Segundo a escola, na manhã desta sexta-feira (28) o Presidente Michel Temer, durante cerimônia em Brasília, sanciona a lei que inclui a microcervejarias no Simples Nacional.
Além de simplificar o processo de recolhimento de impostos, a carga tributária sobre as cervejas artesanais será reduzida.
Segundo a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), com o recolhimento do ICMS na fonte, como era antes de serem incluídos no Simples Nacional, o imposto incidente sobre o produto chegava a 60% do valor da prateleira.
É mais um incentivo para um segmento importante para a região do Vale do Itajaí.


E AGORA?




quinta-feira, 27 de outubro de 2016



MOBILIZAÇÃO

O vereador Ivan Naatz (PDT), de Blumenau, postou na rua rede social um alerta para as entidades de classe do Vale do Itajaí sobre a mobilização da região Oeste de Santa Catarina para que o próximo governador eleito seja daquela região e também a pretensão de duplicar o número de Deputados Federais e aumentar o número de cadeiras na Assembleia Legislativa de SC, que hoje é de 16 deputados.
Segundo Ivan, 16 municípios liderados por Chapecó se juntaram e criaram uma Federação com o intuito de, desde já, começar a campanha para o voto útil e de apoio dos candidatos da região. Hoje a região Oeste é a que recebe o maior número de investimentos do Governo do Estado.
Para Naatz, o Vale do Itajaí tem que se mobilizar e se organizar, pois a cada eleição a região perde prestígio e retorno político e de investimento.

RENAN x JUDICIÁRIO

Em queda de braço com o judiciário após a prisão de policiais do legislativo que estavam sob seu comando, o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) apresentou uma série de medidas que serão tomadas no Senado e também articula uma ação para a aprovação de um projeto de lei, que já passou pelo Senado e tramita há 13 anos na Câmara dos Deputados, que acaba com a aposentadoria compulsória dos juízes. Renan já conversou com o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, para que a proposta seja votada em definitivo até o fim deste ano.
Segundo Calheiros “muito mais urgente que as 10 medidas adotadas pelo Ministério Público é aprovar a PEC que acaba com a aposentadoria como prêmio, por crime de improbidade, de membros do Ministério Público e do Judiciário”. Para ele, essa agenda tem que ser priorizada.
Depois da Lava Jato, em Brasília é cada um por si.

TRAMPOLIM 1

No último dia 18 a Câmara de Vereadores do Balneário de Piçarras, no litoral de SC, aprovou um projeto de revisão de lei que não permite mais que nenhum vereador se licencie para assumir qualquer cargo do executivo, seja na administração direta ou indireta. A troca ocorria geralmente nos cargos de alto escalão, em que o salário geralmente é maior do que o de vereador.
Segundo o presidente do legislativo de Piçarras, vereador Antônio Luiz Beduschi (PT), os vereadores podem até assumir outro posto, mas terão que renunciar ao cargo de vereador.

TRAMPOLIM 2

Em Piçarras, um vereador recebe de salário o valor de R$ 6.027,00 e o secretário municipal tem vencimento de R$ 8.499,30, o que fazia com que muitos vereadores da base governista optassem por assumirem cargos no executivo.
Tentou-se também mudar a lei que permite que o presidente do legislativo municipal se reeleja, mas essa matéria só teve os votos favoráveis de 3 dos 11 vereadores: Oswaldo da Silva Junior (PT), Maurício Köche (PP) e Francisco Coradini (PP). Com isso, o presidente da Câmara de Piçarras pode concorrer à reeleição de presidente da mesa diretora.

ISENÇÃO 1

Tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei, do Deputado João Derly (Rede-RS), que prevê isenção de tributos para microempresas com receita bruta anual de até R$ 180 mil no primeiro ano de atividade e aumento gradativo da cobrança até o quarto ano de vida.
Segundo o Deputado, a sobrevivência das micro e pequenas empresas no país são indispensáveis para o desenvolvimento econômico do Brasil. Estudos mostram que os dois primeiros anos de uma empresa são os mais difíceis, o que torna esse período o mais importante para que ela continue ou feche.

ISENÇÃO 2

Atualmente as microempresas tem 20 faixas de renda para cada ramo de atividade exercido pela empresa (comércio, indústria, locação de bens móveis ou prestação de serviços) com alíquotas crescentes. Quanto maior o faturamento, maior é a alíquota para pagamento do Simples.

Obviamente que qualquer isenção de imposto acaba impactando no caixa do governo, mas seria uma boa proposta para os pequenos que hoje geram mais da metade dos empregos formais no Brasil.



quarta-feira, 26 de outubro de 2016



JASC 2016 CANCELADO

O Governo do Estado de SC, através da Fesporte, divulga nota oficial amanhã (27/10) informando que os 56º Jogos Abertos de Santa Catarina (JASC), que iria acontecer este ano entre os dias 11 e 19 de novembro, foi cancelado.
No último dia 20 de outubro a Prefeitura de Tubarão, que tinha sido escolhida para realizar a competição, emitiu nota assinado pelo Prefeito João Olávio Falchitti, desistindo de realizar os JASC por conta do vendaval ocorrida na região sul e que não haveria tempo hábil para a recuperação de ginásios e alojamentos. A partir daí a Fesporte não encontrou outra cidade sede que se dispusesse a realizar o evento e preferiu cancelar os Jogos Abertos de 2016.


terça-feira, 25 de outubro de 2016



RECEITA INDIGESTA

“Pagamos o preço pelos oportunistas, da falta de entendimento sobre o esporte. Para o atleta ter alto rendimento ele precisa de uma estrutura profissional.
No Brasil, hoje, você tem que provar que é inocente”.

Frase de Guga Kuerten na audiência no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), onde corre um processo sobre cobrança de impostos, questionado pela Receita Federal, sobre pagamentos de patrocínios e de torneios entre os anos de 1999 e 2002.

Guga pode ter que pagar multa que ultrapassa R$ 5 milhões. 

   


ABSURDO FEDERAL 1

No mês de agosto desse ano a Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal aprovou o Projeto de Lei da Câmara (PLC 28/2016) que aumenta em 16,3% o salário do Procurador Geral da República, que passará de R$ 33.763,00 para R$ 36.813,88 em junho de 2016 (retroativo) e para R$ 39.293,38 em janeiro de 2017.
O projeto ainda será apreciado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) antes da decisão final, em plenário. Originalmente, o valor de R$ 39.293,38 valeria já a partir de 1º de janeiro de 2016 (também retroativo), mas a Câmara aprovou um substitutivo, do Deputado Marcos Montes (PSD-MG), que protelou e parcelou esse aumento.

ABSURDO FEDERAL 2

Na justificativa do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, a proposta busca compensar as perdas sofridas pela inflação entre os anos de 2009 e 2015. O impacto estimado pelo Ministério Público da União (MPU) é de R$ 258,6 milhões, mas poderá ser menos, uma vez que o aumento, se aprovado, só terá validade a partir do mês de junho deste ano.
O ganho mensal fixado pelo PLC 28/2016 para o Procurador Geral da República se equipara ao patamar estabelecido para os Ministros do Supremo Tribunal Federal, conforme projeto de lei aprovado pela CCJ, que resultará na definição do novo teto para o funcionalismo público.
Cada um tire suas próprias conclusões, mas é fato que o judiciário federal também contribui, e muito, para o empobrecimento, ético e financeiro, do brasileiro.