quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

CONFIRMADO



Em outubro de 2008 publicamos uma nota onde dizíamos que a NET TV a Cabo já teria comprado um prédio no interior de São Paulo para instalar o novo setor de atendimento ao cliente.
No início de janeiro a nossa informação se confirmou e agora a empresa atende seus clientes não mais pelo telefone 2102-7676, mas sim pelo 10621.
O problema dessa mudança é que, além do atendimento ter piorado, a Net em todas as cidades de Santa Catarina onde tem cabeamento, demitiu as pessoas que faziam esse serviço localmente. Para se ter uma idéia, em Blumenau foram demitidas aproximadamente 15 pessoas entre atendentes e coordenadores.
Ou seja, mais uma vez a empresa leva a melhor na queda de braço com o consumidor, pois além de aumentar a massa de desempregados presta um serviço, no mínimo, abaixo das expectativas para quem o compra.

ABSURDO

E não é só isso. Além de demitir, a empresa continua cobrando os R$ 25,00 referentes ao ponto extra, em virtude de uma liminar dada pela justiça, e aumentou o valor de alguns serviços como a instalação do ponto extra, que antes não era cobrado e agora custa nada menos que R$ 70,00 só para a instalação.
Esse valor, segundo um atendente, é referente à adesão do ponto extra.
É por essas e outras que o governo tem que interferir sim nessa falta de concorrência. A NET, a Sky e a extinta Directv são do mesmo dono e as três possuem mais de 60% de todas as assinaturas de TV por assinatura do país.
E aqui em Blumenau ainda há o caso da BTV, que pertence a NET, caso proibido por lei, mas que a justiça finge que não vê e deixa a empresa agis como bem entende na cidade, impedindo outra concorrente de entrar no mercado.
Será que os juizes não tem TV a cabo em casa?

HABITAÇÃO

No encontro realizado em Blumenau com os prefeitos das cidades atingidas pelas cheias em 2008, ficou constatado que será necessário a construção de aproximadamente 6200 casas para abrigar as famílias atingidas que hoje estão provisoriamente em abrigos.
Os prefeitos estão correndo contra o tempo, mas “o valor cobrado por alguns donos de terrenos é um absurdo”, disse um dos prefeitos. Quando eles ficam sabendo que é a prefeitura ou o governo do estado que está tentando adquirir a área para a construção das casas, eles metem a faca.
Então não seria melhor que as prefeituras fizessem as novas moradias em projetos verticais, os prédios de apartamentos, pois assim poderia-se resolver com mais rapidez esse problema.
Mas é claro que não podem ser construídos apartamentos com material de baixa qualidade, como muitos construtores e empreiteiros que trabalham para o serviço público fazem.

DISPUTA INTERNA



O PSDB de Blumenau está num dilema interno. É que o Presidente da Fundação de Desportos será um tucano, mas ninguém realmente sabe quem será. Uma ala do partido quer o ex-atleta olímpico Sérgio Vieira Galdino enquanto outra quer que o atual presidente Élcio Campos continue no cargo.
Como ambos já trabalham juntos na Fundação, terão que se acertarem, pois poderá haver dentro da própria fundação um racha e aí quem perde com isso é o esporte “amador” de Blumenau.
Mas como quem decidirá a escolha do chefe maior do órgão será o prefeito João Paulo, eles terão que continuar fazendo seus trabalhos, juntinhos.

NOS BASTIDORES

Mais uma vez o advogado do PP catarinense, Gley Sagaz, o mesmo que entrou com processo de cassação do governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), poderá ser a sombra negra do prefeito de Florianópolis, Dário Berger (PMDB).
É que o Tribunal Superior Eleitoral estabelece que um prefeito não pode exercer mais de dois mandatos de prefeito, independente do domicílio eleitoral.
E é aí que o advogado se baseia e estuda com a cúpula do partido, entre eles Esperidião Amin, se vale ou não a pena correr esse risco.
É que essa estratégia, se não der certo, poderá transformar o prefeito Berger em mocinho e, com isso, angariar muita energia para concorrer a um cargo maior em 2010, como o de governador.
Mas para a maioria dos pepistas, esse problema seria do governador.

PROCESSO

E por falar em processo, em fevereiro o Tribunal Superior Eleitoral julgará o caso do governador Luiz Henrique, que está sendo acusado de fazer propaganda eleitoral fora do prazo e com dinheiro público.
Pra quem não lembra, é o famoso caso da Revista Metrópole, do radialista Nei Silva, do jornalista Danilo Gomes e da vendedora de anúncios Márgara Hadlich.
Do início do caso até hoje, apenas Nei Silva continua do lado contrário do governador.

PESQUISAS





A Câmara analisa o projeto de lei do deputado Vicentinho Alves (PR-TO), que proíbe a divulgação de resultados de pesquisas eleitorais por qualquer meio de comunicação. O texto restringe o acesso aos dados apurados em pesquisa de opinião apenas para uso interno do partido, coligação ou candidato.
O autor argumenta que a publicação de pesquisas nos veículos de comunicação induz, muitas vezes, o eleitorado a votar em quem aparece na frente, interferindo no resultado da eleição, em prejuízo de alguns partidos e candidatos.
Só para lembrar que em 2008, em Blumenau, o candidato a prefeito Décio Lima (PT) questionou muito as pesquisas do Santa e principalmente da Ric Record, mas viu-se que os números divulgados pelos institutos Mapa e Brasmarkt ficaram bem perto do resultado final.




Sérgio Eduardo de Oliveira - 14/01/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário