sábado, 21 de março de 2009

NEGADO




O Presidente do TSE, ministro Carlos Ayres Britto, negou recurso extraordinário ao governador de SC, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), e ao vice, Leonel Pavan (PSDB), que queriam a subida para o Supremo do pedido para nova produção de provas no recurso que pede a cassação do mandato dos dois.
Segundo Britto, “não há circunstância excepcional que justifique o encaminhamento dos recursos ao STF, uma vez que não existe qualquer prejuízo às partes e é inviável, portanto, determinar-se a subida dos recursos extraordinários". Com isso, os recursos deverão permanecer retidos nos autos principais para aguardar a decisão definitiva da causa.
Na sessão do último dia 4 de março, o plenário do TSE rejeitou o mesmo pedido do governador de Santa Catarina. O recurso foi apresentado contra decisão do relator, ministro Felix Fischer, que em novembro de 2008 negou o pedido da defesa para refazer toda a instrução probatória. A defesa alegou que com a decisão do TSE de incluir o vice-governador no processo o prazo para instrução processual teria que ser reaberto.
O governador achou que levaria essa com facilidade, mas com o passar do tempo tudo foi mudando e agora ele já sente um frio na espinha. Agora o julgamento de Luiz Henrique deve ser marcado, o mais tardar, até o fim de abril, pois não há mais como os advogados Eduardo Alckmin e João Linhares tentarem manobras para atrasar o julgamento do mérito.

PRESTIGIANDO

Na quinta-feira a noite o prefeito de Blumenau, João Paulo Kleinubing (DEM), esteve em Florianópolis prestigiando a estréia do filme “Vamos subir Leão – A conquista do acesso”, que teve roteiro e produção de Diogo Kleinubing, irmão do prefeito.
O filme, que também teve a direção de Marcos Bitencourt, conta a trajetória do time de Florianópolis, em 2008, quando voltou a série A do Campeonato Brasileiro.
Estiveram presentes, além de João Paulo Kleinubing e Dona Vera, vários jogadores, torcedores ilustres e convidados da imprensa.
O filme tem 80 minutos e pode ser assistido no cinema do Shopping Itaguaçú em duas sessões – às 16:45 e às 21:30 horas.

APOIO

O colega de profissão de Brusque, e também acadêmico de jornalismo, Valdomiro da Motta, do Blog Visão10 (http://visao10.blogspot.com/) passou por uma situação difícil. No dia 11 de janeiro deste ano a sua esposa teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e necessitou do serviço público de saúde. Foi internada as pressas no Hospital de Azambuja, onde permaneceu por alguns dias. Quando recebeu alta, precisou de um laudo do médico, coisa que acabou não conseguindo porque o médico havia desaparecido ou não quis emitir o documento.
Valdomiro acabou tendo que recorrer a um médico particular,m que também receitou um medicamento mais eficaz, mas que não é pago pelo SUS por causa do valor.
Enfim, essa história já vai pra mais de 40 dias e a esposa de Valdomiro, assim como todos aqueles que dependem do governo, perambula pelos hospitais e postos de saúde a procura de atendimento, coisa que é uma obrigação e não um favor que os políticos tem a obrigação de disponibilizar.
Como ele mesmo diz, tomara que nenhum familiar seu tenha qualquer problema de saúde e seja obrigado a usar os serviços públicos de saúde.
Desejo melhoras para a esposa de Valdomiro e que o secretário de saúde da cidade tome providências não só com o caso de Valdomiro, mas por todos os descasos na saúde da cidade de Brusque.

COMEÇOU



E por falar em futebol, o comitê Florianópolis 2014, que tenta trazer a Copa para a capital do estado, passou por um momento constrangedor. Esse comitê tem a participação da Federação Catarinense de Futebol, do Figueirense e também da Secretaria de Esporte, Cultura e Lazer de SC. Quando foram registrar o domínio do site www.florianopolis2014.com.br, descobriram que uma agência de publicidade de Minas Gerais, de propriedade de Marcos Valério, aquele mesmo que estava envolvido no escândalo do mensalão, era a dona do endereço eletrônico.
Um registro normal de site não custa mais que R$ 35,00, mas esse comitê pagou para a agência do publicitário o valor de R$ 1.300,00, um ágil de 3715%.
O secretário Gilmar Knaesel disse que quem pagou o valor foi a agência de publicidade que cuida da conta do Comitê.
Não sei se o secretário, que até hoje não mostrou o resultado dos serviços da empresa IBI Ásia Pacific, que tem como sede um apartamento no bairro Vila Nova (Blumenau) e foi contratada pelo valor de R$ 1,4 milhão, acredita que nós catarinenses somos bobos ou acéfalos.
A agência pode até ter pagado o valor, mas vai cobrar lá na frente e o governo vai pagar, com dinheiro do contribuinte.
Que agência é essa que não consegue sequer bolar um outro nome para pagar apenas os R$ 35,00?
Mas como o dinheiro é público, que se dane o resto. Vamos gastar.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 21/03/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário