quinta-feira, 23 de abril de 2009

KLEINUBING E IDELI



Pode-se criticar o prefeito João Paulo Kleinubing (DEM) e a Senadora Ideli Salvatti por muitas coisas, menos por não tentarem resolver o problema do repasse das verbas federais para a cidade de Blumenau através do governo do estado.
Mas a senadora aproveitou o encontro de ontem com o prefeito de Blumenau, marcado pelo presidente da Acib, Ricardo Stodieck, para pedir que ele cobre do governador Luiz Henrique os convênios para a liberação das verbas do governo federal.
O mais importante dessa reunião é que integrantes de dois partidos diferentes sentaram para conversar na intenção de achar uma solução imediata para um problema que se arrasta há quase seis meses.

ESTIAGEM

Estive no oeste do estado no último feriado e vi de perto a estiagem que assola a região. Açudes que antes sempre estavam cheios, agora chegam a ter dois metros a menos de água. O gado ta fraco, as plantações perdidas e já se cogita o racionamento de água para os moradores das cidades da região.
Mesmo com a chuva dessa semana, a estiagem segue forte e não tem data para terminar.
A sociedade blumenauense envia nesta semana quatro carretas com água mineral para a cidade de Chapecó. O primeiro caminhão foi enviado às 19:00 horas de ontem e o segundo sairá às 10:00 horas de hoje rumo ao oeste do estado. Os outros dois caminhões ainda não têm data de envio definida.
A doação beneficiará principalmente as escolas e unidades de saúde de Chapecó, que sofre com a falta de água, conseqüência da estiagem que assola a cidade.

AUDIÊNCIA COM O PRESIDENTE

Dezenas de entidades de classe querem uma audiência com o presidente Lula para discutir a liberação das verbas federais para a reconstrução da cidade.
Nesta quinta, às 14:00 horas no gabinete do prefeito João Paulo Kleinubing, será assinado um documento, que vai ser enviado para o Palácio do Planalto, pedindo o encontro com o presidente da república.
Esse encontro vai ser mediado pelo Presidente da Fiesc, Alcantaro Correia. O convite também foi enviado para todos os deputados federais e estaduais da região, que dificilmente aparecerão por conta das sessões ordinárias dos legislativos.
Na verdade, esse é o tipo de encontro que só vai servir para fazer um pouco de barulho e ocupar espaço nos jornais. Na prática, não vai sensibilizar aqueles que têm a caneta na mão.
E os desabrigados terão que continuar a sua saga de, um dia, terem uma casa própria.

PISO SALARIAL

Na tarde de ontem, na Câmara de Vereadores de Blumenau, foi realizada uma audiência pública, a pedido do vereador Vânio Salm (PT), para discutir o cumprimento da lei que definiu o piso salarial nacional dos professores.
Segundo o representante do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinte), Sandro Luis Cifuentes, o governador Luiz Henrique não está cumprindo a lei e paga um piso salarial inferior aos R$ 950,00, determinado pela lei.
A exigência maior dos participantes, é que o governador abra um canal de negociação para a implantação do novo piso e também que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o mais rápido possível as ações que impedem a implantação desse novo piso por todos os estados da federação.
Para Simone Malheiros, representante do governo estadual, para o cumprimento da lei, que além do piso salarial determina também o cumprimento de 33 horas/atividade, seria necessário a contratação de 7 mil professores para que o estado se adeque a nova regra.
Dou um prêmio para aquele que adivinhar qual foi a desculpa dela para justificar o não cumprimento?
Ora, é óbvio. Foi a catástrofe ocorrida em 2008 e a crise mundial.
Para esse tipo de desculpa eles lembram que aconteceu uma enchente em Santa Catarina, mas para liberar as verbas necessárias para a reconstrução, se fazem de desentendidos.

DEPOIS DAS PASSAGENS, O AUMENTO DE SALÁRIO

Depois que muitos deputados federais, entre eles os catarinenses Fernando Coruja (PPS), Nelson Goetten (PR), Djalma Berger (PSB), João Matos (PMDB), Ângela Amin (PP), Edinho Bez (PMDB), Paulo Bornhausen (DEM), Ivan Ranzolin (PP) e João Pizzolatti (PP), foram descobertos por usarem as passagens aéreas da Câmara em viagens com a família para vários pontos turísticos pelo mundo, eles acabaram descobrindo uma ótima saída, para eles, para resolverem a questão.
Os deputados federais querem que seus salários tenham um aumento de 50%, passando de R$ 16,5 mil para R$ 24 mil mensais, e também a adoção de um pacote de serviços, com valores e cotas definidas por eles, em troca da extinção de valores destinados aos gastos com locomoção e outras despesas.
O problema é que, se isso acontecer, pode gerar um efeito cascata em todo o legislativo nacional, possibilitando os deputados estaduais e vereadores de aumentarem também seus salários.
Só para se ter uma idéia, o deputado estadual, hoje, recebe pouco mais de R$ 15 mil por mês mais uma verba de gabinete de quase R$ 40 mil, totalizando aproximadamente R$ 55 mil por mês o gasto com cada deputado estadual na Assembléia de SC.
Se esse aumento ocorrer em Brasília, os deputados estaduais passariam a receber só de salário o valor de R$ 22,5 mil mais os quase R$ 40 mil de verba de gabinete, e passariam a custar ao povo catarinense mais R$ 60 mil/mês, sem falar no aumento dos vereadores, que também buscarão seus direitos.
Com isso, nós teremos que trabalhar mais para pagar essa conta.

NÚMERO DE PASSAGENS USADAS POR DEPUTADOS DE SC

FERNANDO CORUJA (PPS) - 19
NELSON GOETTEN (PR) -
14
DJALMA BERGER (PSB) -
8
JOAO MATOS (PMDB) -
8
ANGELA AMIN (PP) -
6
EDINHO BEZ (PMDB) -
4
PAULO BORNHAUSEN (DEM) - 4
IVAN RANZOLIN (PP) -
2
JOAO PIZZOLATTI (PP) -
1

Os 261 deputados federais descobertos usaram nada mais, nada menos que 1.883 passagens aéreas em viagens com familiares e amigos para cidades como Milão, Paris, Nova Iorque e Madri.
Sabe quem pagou o valor de, pasmem, R$ 4,7 milhões? Eu e você.

NA FILA



Após a cassação do governador do Maranhão, Jackson Lago, o Tribunal Superior Eleitoral examina os processos dos governadores Marcelo Miranda (TO) e Luiz Henrique da Silveira (SC), ambos do PMDB, até o final de abril e maio, respectivamente. Ambos são acusados de abuso de poder econômico nas eleições. O vice-procurador-geral eleitoral, Francisco Xavier, já recomendou a cassação de Marcelo Miranda. No TSE, três ministros já votaram a favor da cassação de Luiz Henrique da Silveira, apesar de Francisco Xavier não recomendá-la.

NOVO ESTÁDIO

O prefeito de Marabá, cidade com cerca de 200 mil habitantes localizada no sudeste do Pará, têm um estádio de futebol com capacidade para 4 mil espectadores. Com o sucesso do time, o Marabá Futebol Clube, o prefeito decidiu construir um novo estádio com capacidade para 20 mil habitantes.
O clube, que tem apenas 9 anos no futebol profissional, disputou em 2009 a Copa do Brasil, mas foi eliminado pelo Fluminense (RJ) na noite de ontem.
Todos esses dados nos fazem lembrar do Metropolitano, que depois de ser obrigado em jogar em Timbó e Jaraguá do Sul, merece um estádio maior para mandar seus jogos no Campeonato Catarinense .
O blumenauense já demonstrou, como os habitantes de Marabá, que também gostam muito de futebol.

DATAS

Alguém lembrou que ontem, 22 de abril, foi o dia do Descobrimento do Brasil e que no último dia 19 foi o Dia do Índio?





Sérgio Eduardo de Oliveira – 23/04/2009



Nenhum comentário:

Postar um comentário