terça-feira, 7 de abril de 2009

MONSTRO ADORMECIDO



A Câmara de Vereadores de Blumenau é a imagem clara da disputa entre os partidos da base do governo do prefeito João Paulo Kleinubing. Mas essa disputa não se restringe apenas na briga entre partidos, mas também entre alas do mesmo partido, como acontece no DEM, no PP e no PMDB. O PSDB não fica fora dessa divisão de classes dentro da mesma sigla, mas tem sabido controlar melhor a língua dos seus filiados.
O certo mesmo é que dentro em breve o prefeito João Paulo vai ser obrigado a tomar uma atitude mais drástica, caso contrário pode ser engolido pela onde que avança rapidamente sobre seu governo.
Com a proximidade das eleições de 2010, vereadores e ocupantes de cargos comissionados já se movimentam para trabalharem em favor de seus candidatos, esquecendo cada vez mais das atribuições do cargo que assumiram.
Hoje, na prefeitura, o negócio é ocupar os espaços para não dar vez ao inimigo, que atualmente mora ao lado.

RECURSOS PARA RECONSTRUÇÃO



Já tem político e presidente de partido de oposição e até da base aliada do governador, dizendo pelo estado afora que os erros cometidos pelo governo de SC na confecção dos projetos para liberação de recursos do governo federal, está sendo proposital justamente para atrasar os repasses.
Com essa manobra, maquiavélica se verdadeira, o governo estadual pode começar a usar esses recursos para promover o candidato da tríplice aliança pelo estado, principalmente no segundo semestre de 2009 e no início de 2010.
Alguns recursos já estão sendo repassados para os municípios, onde o próprio governador tem aparecido para entregar os cheques.
Mas como a escolha do candidato do trio PMDB, PSDB e DEM deve partir de uma pesquisa entre os mais cotados, a coisa deve demorar um pouco e a festa de entrega de recursos tem que acompanhar o ritmo lento da prévia eleitoral.
Antão, se todos os recursos prometidos forem liberados, ano que vem vai ter festa toda semana no Vale do Itajaí.

NOVOS RUMOS

Como o presidente do PMDB de SC, Eduardo Pinho Moreira, está com dificuldade para ter um entendimento político com o governador Luiz Henrique, Eduardo já está pensando na possibilidade da candidatura para o Senado em 2010. O grande problema é que o governador já se colocou como o primeiro da lista para concorrer ao cargo, mas tudo vai depender da decisão dos juizes no processo de cassação do governador e do vice de SC.

PRESTIGIADO



Mas um nome que está prestigiado na tríplice aliança para concorrer ao senado junto com Luiz Henrique, é o do deputado estadual Júlio Garcia (DEM), que atualmente coordena a campanha do senador Raimundo Colombo.
Júlio já está mapeado para ser o candidato a vice-governador caso Raimundo não consiga emplacar seu nome como cabeça de chapa da coligação.
Vale lembrar que foi Júlio Garcia que articulou junto ao governo do estado e também dentro da Assembléia Legislativa de SC o acordo que levou o deputado Jorginho Melo (PSDB) a presidência da casa. Nesse acordo, Jorginho terá que renunciar em janeiro de 2010 para que Gelson Merísio (DEM) fique até o fim dessa legislatura no cargo de presidente.

DIAS DIFÍCEIS

Numa entrevista para o jornal Correio do Povo, de Jaraguá do Sul, publicada na edição do último sábado, o Presidente da Weg, Harry Schmelzer Junior, disse que está sendo obrigado a tomar algumas medidas difíceis para não ser pego pela crise mundial. Primeiro mandou fechar a unidade fabril de Garulhos e depois teve que reduzir a jornada de trabalho e salários de quase sete mil funcionários em Jaraguá do Sul e Guaramirim.
Ele acredita que em aproximadamente seis meses a economia saia da UTI e comece a respirar por conta própria novamente. Mas até lá, avalia Harry, cada semana guardará novidades e terá que ser avaliada com precisão.
“Sem dúvida, essa crise será superada e quem vai passar por menos dificuldades é quem tomar as medidas mais rápidas”, enfatiza.
Essa marolinha ta grande demais. Vamos ver quem vai pagar essa conta.

PROGRAMA ELEITOREIRO



O deputado federal Ônix Lorenzoni, do DEM do Rio Grande do Sul, informou, no seu pronunciamento desta segunda-feira, no plenário da Câmara dos Deputados, que o programa “Minha Casa, Minha Vida”, do governo federal, vai beneficiar apenas 253 municípios em todo o Brasil.
Para ele, essa é uma demonstração de que esse programa é direcionado exclusivamente para as cidades do sul e do sudeste, as maiores beneficiadas, em virtude do contingente eleitoral que essas regiões tem e que podem ajudar a Ministra-Chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, numa eventual candidatura a presidência da republica.
Além disse, segundo mo deputado, vai contribuir muito para o êxodo rural nos estados, pois como esse programa beneficia apenas cidades com mais de 100 mil habitantes, pode fazer com que as pessoas dos pequenos municípios e agricultores migrem para essas cidades em busca dos benefícios do programa.
O pior disso tudo é ver os administradores públicos usarem o dinheiro do contribuinte para tentar eleger seus amigos e apadrinhados políticos.
E isso não é exclusividade do presidente Lula. Em SC e em Blumenau vamos ver muito disso acontecer em breve.
É só esperar.

MULTADO

O jornal Correio Hoje, de Videira, foi multado pelo TER/SC no valor de R$ 53.205,00 por causa de uma publicação de pesquisa eleitoral não registrada durante as eleições de 2008. A alegação do representante do jornal para os juízes foi a de que a reportagem publicada na contracapa, no dia 27 de setembro de 2008, tratava-se de uma enquete.
Para o juiz do caso, Oscar Juvêncio Borges Neto, os veículos de comunicação, durante o período eleitoral, devem observar a diferença entre pesquisa eleitoral de opinião pública e enquête e quando forem divulgar resultados de enquetes devem informar que não se trata de uma pesquisa eleitoral, mas de mero levantamento de opiniões, sem controle de amostra ou utilização de método científico para sua realização.
Para ele, se não houver este esclarecimento, será considerada divulgação de pesquisa sem registro e os responsáveis estarão sujeitos à multa.
O jornal entrevistou 192 pessoas que apontaram o candidato a prefeito Nico Rossato, pela coligação “União e Trabalho”, dos partidos PP e PSDB, como o próximo gestor do município de Tangará.
No entendimento do juiz-relator, Oscar Juvêncio Borges Neto, o veículo conduziu toda a reportagem de modo a dar a entender que se tratava de pesquisa eleitoral realizada com a utilização de método científico. Tangará possui 6.690 eleitores e na última eleição, o candidato Robens Rech (PMDB) se elegeu prefeito do município com 3.184 votos pela coligação “Por um Tangará Melhor”, do PMDB, DEM e PT, que é autora do recurso julgado no TER/SC.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 07/04/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário