sexta-feira, 15 de maio de 2009

AUXÍLIO REAÇÃO

O Secretário Paulo França, da 15ª Secretaria Regional do Governo do Estado, informou ontem no Programa Passando a Limpo, da Rádio Blumenau AM 1260, que aquelas pessoas que se cadastraram para receber o Auxílio Reação, mas que a Prefeitura de Blumenau não enviou a lista dentro do prazo determinado pela Medida Provisória que liberou esses recursos, dificilmente conseguirão ser inseridos nesse programa e muito provavelmente não vão receber os valores do Auxílio Reação.
Isso só ocorrerá se, por exemplo, o governo federal reeditar uma nova medida permitindo que as prefeituras encaminhem essas listagens após o dia 31 de março de 2009.
Trocando em miúdos, todas essas 247 pessoas que cumpriram com todas as exigências do governo, ficarão, até segunda ordem, de mãos abanando.
Espera-se que a prefeitura, pelo menos, assuma o ônus desse erro e que também diga quem foi AA grande cabeça pensante que não soube interpretar o que estava escrito.
É claro que não pudemos culpar o prefeito João Paulo, mas ele agora tem a obrigação de tomar uma providência para evitar erros dessa natureza.

PRESÍDIO DE BLUMENAU

Ontem a tarde o Diretor do Presídio de Blumenau, Antônio Moura, fez uma varredura naquela instituição, com a ajuda de 12 agentes penitenciários e 4 policiais civis, para impedir mais uma fuga que estava sendo arquitetada por presos em duas celas do Presídio.
Segundo o repórter Amauri Pereira, numa das celas já havia uma escavação que, muito provavelmente, levaria esses detentos para a área externa do Presídio, possibilitando a fuga de cerca de dez presos.
Além dessa escavação, foram encontrados armas, drogas e aparelhos celulares e tudo mais que sempre entra sem ninguém saber como.
Se fala muito no meio policial que há sim agentes que facilitam a vida dos presos e que alguns advogados também acabam servindo o crime organizado instalado no Presídio.
Para se ter uma idéia, o criminoso quando é detido e levado para a delegacia, ele já sabe o quanto ele terá que desembolsar para comprar alguns objetos de primeira necessidade. Um colchão, dentro do Presídio de Blumenau, custa hoje para o detendo cerca de R$ 300,00, valor esse que não é cobrado pelo estado, mas sim por aquelas quadrilhas que dizem mandar na instituição.
Se mandam lá dentro, sendo vigiados pela polícia, imagina aqui fora, onde eles tem toda a liberdade para agirem.

PMDB DE BLUMENAU

Na conversa que tive ontem a tarde com o Paulo França, ele disse que em 2000, quando foi candidato a prefeito de Blumenau pelo partido, tentou iniciar uma nova era dentro PMDB, fazendo que novas lideranças surgissem para que os peemedebistas não ficassem sempre a reboque de outras siglas.
Mas, segundo ele, em 2004 e em 2008, a direção do PMDB decidiu apoiar outras candidaturas e não mais seguir com o projeto que ele havia iniciado quando foi presidente do partido na cidade.
Paulo lembrou que em 2000, tanto o DEM quanto o PSDB estavam na mesma situação do PMDB, mas estas siglas apostaram em novas lideranças e hoje o DEM já elegeu por duas vezes um prefeito e o PSDB tem hoje no vereador Napoleão Bernardes uma boa alternativa para concorrer a prefeito em 2012.
Já o PMDB se obriga a iniciar esse trabalho agora para daqui há uns oito anos conseguir ter alguma chance.
O problema dos peemedebistas são seus caciques, que acham que engessando o partido, terão vida longa na política. Até podem ter, mas não pelas mãos do eleitor de Blumenau.

FOREST, ENOC E AIM



Ontem, na Câmara de Vereadores de Blumenau, aconteceram duas manifestações diferentes. Primeiro foi a posse do suplente de vereador Jéfferson Forest (PT), no lugar do vereador Vanderlei de Oliveira, que se licenciou por 30 dias para resolver problemas particulares.
Depois foi a vez de Enoc Melo e Osmar Aim, figuras conhecidas dos vereadores, que fizeram um manifesto, com vassouras em punho, pedindo uma limpeza moral naquela casa e que os nobres legisladores voltem a serem independentes, não mais ficando a mercê das necessidades do governo do prefeito João Paulo Kleinubing.
Defenderam na tarde de ontem o fim da reeleição, inclusive para vereadores e deputados.
Não foi lá uma grande manifestação, mas é louvável que alguém da comunidade tente colocar uma pressão nos nossos vereadores.
Isso mostra que eles não podem, e não devem, fazer o que lhes dá na cabeça.
Voltando a falar de Forest, ele deixou bem claro que fará “oposição sistemática e implacável ao atual governo”.
Será que ele não vai ser um vereador de Rodoviária, como chamou o presidente da CDL de Blumenau, Marcelino Campos, para o suplente de vereador Sargento Armindo Maria (PDT) por estar apenas de passagem?

IDELI E DÖHLER

Ontem a senadora Ideli Salvatti (PT) e o empresário Udo Döhler, de Joinville, entregaram para o presidente Lula dois documentos com solicitações do setor têxtil. A conversa com o presidente ocorreu na Base Aérea de Florianópolis, aonde Lula chegou para participar da abertura Fórum Mundial do World Travel & Tourism Council (WTTC). Um dos documentos, assinado pela Frente Parlamentar Mista para o Desenvolvimento da Indústria Têxtil e da Confecção Brasileira, aborda a preocupação do segmento com os excedentes de produção que a China está procurando colocar em novos mercados, como o Brasil. Apenas no primeiro quadrimestre deste ano, as importações brasileiras de vestuário provenientes daquele país cresceram 83%, enquanto a produção da indústria têxtil entre os meses de janeiro e março recuou 13,6% na comparação com igual período de 2008, ocasionando a perda de 10,7 mil postos de trabalho. “Não se trata de fechar as fronteiras, mas sim de não permitir que sejamos o estuário dos excedentes de produção existentes no mundo, em particular da China, que é o maior produtor e exportador mundial”, disse Ideli, que é coordenadora da Frente no Senado. “Nossa preocupação é que este quadro deverá se agravar rapidamente, causando mais desemprego”, completou a senadora.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 15/05/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário