quarta-feira, 13 de maio de 2009

FOREST GUMP CATARINENSE



Vocês lembram do Forest Gump, aquele personagem interpretado por Tom Henks no filme que levava o mesmo nome? Pois é, o governador ta parecendo aquele mesmo contador de histórias. Veio ontem para Blumenau trazendo toda a comitiva da segurança pública do governo do estado só para fazer mais algumas promessas.
A reunião aconteceu na 15ª regional e teve a presença, além do governador e do secretário Ronaldo Benedet, do prefeito João Paulo Kleinubing, do vice Rufinus Seibt, de empresários, deputados e outros membros do governo.
Desta vez, prometeu que a o governo vai fazer uma força tarefa para trazer policiais civis de outras cidades para atuarem em Blumenau, ou seja, cobrem a cabeça e destapam os pés.
Disse também que vai oferecer um salário mais alto para tentar atrair policiais inativos e que dentro de um mês será aberta uma nova turma de 70 policiais civis, aonde, segundo Luiz Henrique, 30 virão para Blumenau.
O problema é que para formar esses agentes, vai se levar aproximadamente seis meses, e até lá a coisa só tende a piorar.
MAIS PROMESSAS

O governador Luiz Henrique também prometeu que o projeto de reintegração da policia e dos bombeiros, aprovado pela Assembléia de SC, será colocado em prática. Mas para isso, a Secretaria de Segurança Pública do estado terá primeiro que buscar aqueles policiais que podem se aposentar com 25 anos de carreira e dar uma recompensa para estes continuem na ativa.
Enfim, mais um pacotão de promessas que ninguém sabe se serão realmente cumpridas. Enquanto isso o blumenauense vai continuar correndo risco de morte, de ser assaltado, de ser estuprado e de ter que correr de bandido todas as vezes que estes meliantes decidirem agir aqui em Blumenau.
Foi mais um daqueles eventos onde apareceu muito puxa saco, muito político para posar para a imprensa, dar discurso e fazer campanha e muito assessor que entrou na caravana do estado para comer e beber de graça, com dinheiro público que deveria estar sendo empregado em coisas essenciais, como na segurança pública, por exemplo.
É, mas a farra continua e nós vamos continuar rezando.
Que Deus nos ajude, porque se dependermos deles!

NEPOTISMO CRUZADO



Pela primeira vez alguém colocou uma situação que, nem a imprensa, nem o Ministério Público, haviam se tocado. O advogado Ivan Naatz (PV) falou no programa Passando a Limpo de segunda-feira, na Rádio Blumenau AM 1260, que a vereadora Norma Dickmann (DEM) está praticando o nepotismo cruzado, pois seu filho, Ivo Dickmann Junior, foi nomeado pelo prefeito João Paulo Kleinubing, do mesmo partido da vereadora, para um cargo em comissão na Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Blumenau.
Segundo Naatz, essa nomeação fere a legislação federal, mas o Ministério Público é quem tem que fazer a denúncia.
Ouvi ontem a vereadora Norma e ela entende que, nesse caso, não está se cometendo esse tipo de irregularidade porque seu filho foi uma indicação do Democratas, e não da vereadora.
Ainda vou buscar a palavra de um promotor da moralidade pública para ter certeza sobre isso. Depois omito minha opinião.
Até lá, o leitor pode enviar e-mail para sergio.redacao@gmail.com ajudando esse blogueiro sobre esse caso.

ENQUETE

Hoje o radialista Armindo Vogue, na Rádio Blumenau, vai fazer uma enquête com ouvintes para saber qual vereador tem melhor e pior desempenho nesses primeiros meses de mandato. Quem quiser dar a sua opinião, pode ligar, a partir dar 10:30 horas, no telefone (47) 3340.1260 e dar o seu voto.
E a tarde eu receberei, no Passando a Limpo, o vereador Napoleão Bernardes, que vai falar, entre outras coisas, da não aprovação do seu projeto de lei que pedia seguranças nos caixas eletrônicos espalhados pela cidade.

O PROJETO DE NAPOLEÃO

Ontem a tardem na Câmara de Vereadores de Blumenau, aconteceu a votação sobre o veto do prefeito no projeto do vereador Napoleão Bernardes (PSDB), que exigia que os bancos colocassem agentes de segurança em todos os caixas eletrônicos da cidade.
Votaram contrários ao veto do prefeito, além de Napoleão Bernardes, os vereadores Deusdith de Souza (PP), Helenice Luchetta (PSDB), Beto Tribess (PMDB), Vanderlei de Oliveira (PT) e Vânio Salm (PT).
Os que decidiram votar favoráveis ao veto do prefeito foram os vereadores Fábio Fiedler (DEM), João José Marçal (PP), Norma Dickmann (DEM) e Marcelo Schrube (DEM).
Já Zeca Bombeiro (PDT) e Antônio Veneza (DEM) se abstiveram e os vereadores Jovino Cardoso Neto (DEM) e Marco Antônio Wanrowski (PSDB) não estavam presentes. O presidente da casa, vereador Jens Mantau (PSDB) não pode votar.
Esse projeto só passaria se tivesse obtido, ao invés de 6 votos contrários ao veto do prefeito, 10 votos dos 14 possíveis.

ANALISE DESSA VOTAÇÃO

Algumas coisas ficaram muito estranhas para mim. Primeiro que Deusdith de Sousa sacramentou a sua posição de independência perante o governo Kleinubing. Segundo que João Marçal é realmente um Democrata vestido de Pepista; terceiro que Jovino Cardoso não está nem aí para o governo e que só não chutou o balde por causa dos cargos que conseguiu na prefeitura para alocar seu pessoal.
Outra coisa que chama a atenção é a vontade do vereador Zeca Bombeiro de não se indispor com a atual administração, mas sem querer parecer um aliado, como se tudo que ele faz e fará poderá ter uma linha mais para esquerda ou mais para a direita. Tudo vai depender de quem estiver envolvido.
Me causou surpresa oi vereador Antônio Veneza não votar com os demais vereadores do seu partido, o Democratas. O DEM pode estar alimentando mais um vereador que, daqui a pouco, colocará as mangas de fora.
Mas constrangedor mesmo foi a ausência do vereador Marco Antônio Wanrowski, do PSDB, mesmo partido do autor do projeto.
Ficou parecendo que Wanrowski não concordava com o projeto, mas também não poderia votar contra para não criar uma saia justa para a cúpula tucana.
O fato é que o projeto será arquivado e nada mais há de se fazer.

ESTÃO AGEITANDO

Não entrou na pauta de ontem, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Blumenau, a decisão sobre o pedido ou não da cassação do vereador João José Marçal (PP), que no último dia 30 de março criou um atrito com guardas de trânsito que tentavam apreender um micro-ônibus que fazia transporte escolar irregularmente na cidade.
Tudo porque a Procuradoria do legislativo ainda não enviou o seu parecer para a CCJ, coisa que deverá ocorrer ainda essa semana.
Como disse na coluna de ontem, comenta-se que a punição de Marçal não passará de um gancho de 60 dias. E com isso, a vida segue, como diz Paulo Alceu.

CHOPPE NA PRAÇA

Ta gerando uma grande polêmica o projeto de lei do vereador Fábio Fiedler, que quer proibis o consumo de bebidas alcoólicas nas praças de Blumenau. Mas o consumo, segundo o projeto, poderá ocorrer em períodos de Oktoberfest, Stammtisch e também no Reveillon.
A justificativa do vereador é a preservação da família blumenauense. O vereador petista, Vanderlei de Oliveira, ironiza dizendo que esse projeto é como aquele do então vereador José Luiz Gaspar Clerici (PMDB), de 2006, que queria proibir o uso de bisnagas de maionese em bares e lanchonetes.
E eu lembro de outro, do também ex-vereador Célio Dias, que proibiu a passagem de helicópteros nos céus de Blumenau.
Não bebo, não incentivo ninguém a beber, mas esse projeto deveria ser mais bem elaborado. Se for para proibir o consumo, que se proíba por toda a cidade, e não somente nas praças. Senão o cara, ao invés de beber na praça, vai atravessar a rua e vai encher a cara na calçada.
Se Fiedler quer preservar somente a família da praça, então divide-se a cidade ao meio e coloca-se, de um lado, aqueles que bebem, e do outro, aqueles que não bebem.
O problema desse tipo de lei é saber quem vai fiscalizar. Se não tem polícia para pegar bandido, imagina se vai ter para fiscalizar as praças de Blumenau.

LULA x SERRA



Hoje, na abertura do Congresso Mundial de Turismo, que acontece em Florianópolis, pode-se ter o presidente Lula e o governador de São Paulo, José Serra, no mesmo palanque. É que desde janeiro os tucanos deram a partida para o contra ataque dos petistas que, desde 2008, estão percorrendo o país para apresentar a sua candidata a presidência, Ministra Dilma Roussef.
A intenção do PSDB nacional é minimizar a pressão para cima do governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) e evitar que o PT leve para seu lado os governadores peemedebistas.
O congresso será para discutir o turismo, mas os holofotes estarão voltados todos para a corrida eleitoral de 2010.
Com certeza, muito deputado e candidato a deputado vai aproveitar o evento para aparecer. Poderão conseguir espaços preciosos na mídia, que lá na frente poderá garantir alguns votos a mais.

REVISÃO



A Assembléia Legislativa aprovou indicação da Bancada do PP, que solicita ao governador do Estado rever ato de exclusão do segundo-sargento Luciano Luiz de Souza. De acordo com a argumentação dos deputados, o movimento reivindicatório dos praças, realizado em dezembro de 2008, não se tratou de atitude contra o Estado, mas de cobrança de justa reivindicação sobre a integralização da Lei 254. A proposição, aprovada na sessão de ontem na Assembléia de SC, também recebeu as assinaturas da bancada do PT e do deputado Sargento Amauri Soares, líder da bancada do PDT. Segundo Soares, o militar foi excluído sem nenhum indício ou prova concreta de participação criminosa nos eventos de dezembro passado.
O deputado Soares acusou, em plenário, que a medida do comando da PM é de caráter político, já que todos os levantamentos processuais não apresentaram provas que pudessem levar a exclusão. “Essa atitude pretensamente administrativa é eivada de decisão política e o governador do Estado tem a principal responsabilidade”, afirmou. Soares destacou ainda que o governador Luiz Henrique da Silveira vai manchar sua carreira política porque não cumpriu a Lei 254 e puniu praças que se levantaram para exigir direitos




Sérgio Eduardo de Oliveira – 13/05/2009

2 comentários:

  1. É preciso destacar que ainda faltam 600 candidatos dos 900 aprovados no concurso da Polícia Civil 2008 para serem chamados. Será que o secretário não tem uma resposta sobre isso? Quando nos chamarão?

    ResponderExcluir
  2. Tom H"E"nks, assim mesmo com E, é dose, hein?

    ResponderExcluir