quinta-feira, 28 de maio de 2009

FOREST NA BLUMENAU AM



Ontem recebi no Programa Passando a Limpo, na Rádio Blumenau AM 1260, o vereador petista Jefferson Forest que confidenciou duas possíveis irregularidades contra o atual governo municipal. A primeira é que, no Samae, alguns funcionários que trabalham com produtos químicos nas Estações de Tratamento, eletricistas, funcionários do laboratório e que recebem adicional de periculosidade e insalubridade, irão perder esse beneficio.
A segunda denúncia, segundo Forest, é que cinco funcionários da Urbanizadora de Blumenau já afirmaram ter trabalhado na campanha de João Paulo Kleinubing, nas eleições de 2008, recebendo salário como comissionado da URB.
Nesse momento apenas repito afirmações do vereador Jefferson Forest, mas vou apurar com os próprios envolvidos a veracidade dos fatos.

NEPOTISMO

Na entrevista, Forest também disse que o PT de Blumenau está fazendo um levantamento de todos os casos que configuram nepotismo na Prefeitura de Blumenau, como o da vereadora do DEM, Norma Dickmann, que trem seu filho, Ivo Dickmann Junior, ocupando cargo em comissão na assessoria de comunicação do prefeito João Paulo, para depois divulgar a listagem e pedir providências da Câmara de Blumenau e também no Ministério Público.
Não quis revelar quantos casos já fazem parte dessa lista, mas disse que são muitos. Pelo que senti da nossa conversa, tenho para mim que o Partido dos Trabalhadores vai exigir que o prefeito demita todos, sem exceções.

OS EXONERADOS

Forest falou que, no caso dos dois funcionários exonerados, ele não entende o porque da demissão deles, pois essa manifestação aconteceu fora do horário de trabalho de ambos e a entrega da pizza foi uma forma de protesto da juventude do Partido dos Trabalhadores, onde os dois ex-funcionários fazem parte.
Disse também que o vereador Jens quer que ele peça desculpas pelo ocorrido. O que ele não entende é porque deve pedir desculpas, pois quer saber quem se sentiu ofendido nessa história. “Quem se sentiu ofendido? A população blumenauense se sentiu ofendida? Ou os vereadores se sentiram ofendidos?”, salientou.
Disse que a forma que eles (a base governista) encontraram para “livrar a barra” da mesa diretora e da Câmara era esse fato. Segundo Forest, eles exigem a re-contratação imediata dos assessores por entender que a responsabilidade da escolha é do vereador detentor do mandato e do partido.

CASO MARÇAL



No caso do vereador Marçal, Jefferson Forest disse que o PT apresentou três requerimentos solicitando abertura de processo para investigar o caso e a mesa diretora não tomou nenhuma providência. Para Forest, houve uma operação abafa orquestrada pelo Prefeito João Paulo.
O vereador Forest disse que houve três reuniões para resolver o caso do vereador Marçal. Na primeira ele participou e a partir daí os membros da Comissão de Constituição e Justiça tentaram impedir a participação dele. Ele relatou também que, no dia que a CCJ avaliou o requerimento do PT, Forest esteve na sala das comissões na hora marcada, mas nenhum membro compareceu. Depois disse que ficou sabendo nos corredores da Câmara pelo líder do governo, vereador Marcelo Schrube (DEM), que a reunião já havia ocorrido, mas não sabe dizer aonde e nem sabe se ela realmente aconteceu.
São, sem dúvida, afirmações fortes que devem ser respondidas pelo Presidente Jens Mantau, e vamos questioná-lo, na próxima sexta-feira, no Passando a Limpo pela Rádio Blumenau AM.

COOLIGAÇÕES PARA 2010

Assim como o deputado estadual Joares Ponticelli, presidente do PP, já descartou qualquer tipo de coligação com o PMDB aqui em Santa Catarina, Jefferson Forest também disse que é impossível que o Partido dos Trabalhadores faça qualquer aliança com o Democratas.
Afirmou também que o vereador Vanderlei de Oliveira será sim um dos candidatos a deputado estadual pelo PT em 2010.

É HOJE



Hoje, a partir das 19:00 horas, começa o julgamento do processo de cassação do diploma do governador Luiz Henrique e do vice Leonel Pavan, em Brasília, no Tribunal Superior Eleitoral. A decisão vai estar nas mãos dos sete juízes, que poderão decidir pela cassação, pela absolvição ou algum deles pode pedir vistas do processo e adiar a decisão.
Mesmo que haja a cassação, ainda cabe recurso no TSE e também no Supremo Tribunal Federal.
Sabe-se que estarão presentes, além dos advogados de acusação e defesa, o vice-governador Leonel Pavan, os secretários de estado Antônio Gavazzoni e Ivo Carminatti, os deputados federais Edinho Bez, Celso Maldaner e Valdir Colatto, todos do PMDB, e também o radialista Nei Silva, da Revista Metrópole.
Todos os parlamentares catarinenses que atuam em Brasília já adiaram a vinda para o estado, coisa que só deve acontecer na sexta-feira, justamente para acompanhar o julgamento de perto.
Somente não haverá festa na capital federal se o julgamento for adiado, pois se Luiz Henrique for cassado, a turma do PP fará a festa. Se for absolvido, aí a festa passa para o lado dos peemedebistas.

26ª OKTOBERFEST



Na noite de hoje, a partir das 19:30 horas no setor 3 do Parque Vila Germânica, acontece o lançamento da 26ª Oktoberfest. A comunidade poderá desfrutar de uma noite idêntica às noites da Oktoberfest, com desfiles, música e danças típicas.
A animação ficará por conta das bandas Os Montanari e Cavalinho, que agita o público até 1h da madrugada.
Sete mil convites estão sendo distribuídos na administração do Parque Vila Germânica e no Blumenau Convention Visitors Bureau, na Rua XV de Novembro 420.
Vale lembrar que a apresentação do convite é indispensável e pessoas com trajes típicos alemão terão acesso livre.
Durante o evento, algumas das novidades da Oktoberfest 2009 serão apresentadas.
A 26ª Oktoberfest iniciará no dia 1º de outubro e vai até o dia 18 do mesmo mês.

MILITARES E CIVIS JUNTOS 1

O deputado Sargento Amauri Soares (PDT) reclamou, na tarde de ontem na Assembléia Legislativa de SC, que as negociações relativas ao anteprojeto do plano de carreira dos policiais civis estejam excluindo a base da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros organizados na Associação de Praças de Santa Catarina (Aprasc).
O parlamentar reclamou ainda que o projeto, que deveria beneficiar a base dos policiais civis, está sendo tratada apenas em nível de cúpula, tanto dos militares (oficiais) quanto dos civis (delegados).
Pelo menos desde meados do ano passado, o governo negocia secretamente, segundo o deputado, o plano de carreira dos policiais civis, em especial, dos delegados. As vantagens para esse setor tendem a serem grandes, de acordo com o parlamentar. Na iminência de serem preteridos, os oficiais estão dificultando o plano de carreira e gerando uma crise institucional.

MILITARES E CIVIS JUNTOS 2

Em carta, a presidente da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol-SC), Sonêa Ventura Neves, denunciou a intervenção do oficialato. “Quem determina o encaminhamento de qualquer projeto que diga respeito à polícia civil para a Assembléia Legislativa nesta administração, não é mais o governador, mas a Polícia Militar com seus oficiais”, desabafou.
Como presidente da Aprasc, Sargento Soares registrou que a entidade vai se posicionar contrária a qualquer diferenciação de percentuais de gratificações ou qualquer vantagem pecuniária que não seja para todos. Para ele, é legítimo que os praças tenham conhecimento do impacto financeiro do novo projeto e possível diferenciação de tratamento entre militares e civis e entre a base a cúpula.
Será mais uma queda de braço entre o governo e os praças, incluindo agora também os policiais civis.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 28/05/2009



Um comentário:

  1. Sérgio
    Tenho lido seu blog constantemente, e também seu programa na Rádio Blumenau. Fico trabalhando e ouvindo a Rádio a partir das 15 horas. Parabéns pelo seu trabalho que é fruto de suas qualidades.
    Abraços
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história.

    ResponderExcluir