quarta-feira, 20 de maio de 2009

A SAGA CONTINUA


Na tarde de ontem, na Câmara de Vereadores de Blumenau, o assessor jurídico da casa, advogado Euclides Pereira, leu um relatório onde relata todas as ações tomadas no caso do vereador João José Marçal (PP). Segundo o documento, quem entregou para o vereador e presidente da Câmara, Jens Mantau, a gravação que mostra o vereador Marçal discutindo com agentes da Guarda Municipal de Trânsito, foi o também vereador Vanderlei Paulo de Oliveira (PT), mas de início não havia um documento assinado por Vanderlei como se identificando o denunciante. Após, essa gravação foi encaminhado para o presidente da CCJ, vereador Marco Antônio Wanrowsky (PSDB), que solicitou que o denunciante se identificasse oficialmente.
Em virtude disso, o presidente do Partido dos Trabalhadores de Blumenau subscreveu um documento assumindo a autoria da denúncia e junto, protocolou mais um documento com mais uma peça desse quebra-cabeça para ser analisado pela CCJ.
Conforme o assessor, “para haver um procedimento exigido pelo Regimento Interno deve haver uma denúncia feita formalmente e recebida pelo presidente da Casa. A partir daí, a denuncia é remetida para análise do plenário que tem a capacidade de apreciar sobre a aceitação ou não da mesma”, completou.

TROCANDO EM MIUDOS

Para que o leitor do Blog entenda melhor, antes não tinha oficialmente o autor da denúncia contra o vereador João José Marçal. Com a apresentação de um documento, onde o presidente do PT de Blumenau fez a denúncia oficialmente, todo o processo na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara deverá acontecer novamente, pára só depois o plenário analisar se Marçal deve ou não ser cassado.
O bom de tudo isso é que muita coisa que estava na escuridão deve começar a ser desvendado pelo eleitor. Foi bom também porque a partir de agora tudo virá à tona, sem censura e ser maquiagem. Vamos saber quem gravou, porque gravou, vamos conhecer o motorista do micro-ônibus, o porque ele estava fazendo o serviço irregularmente e porque o vereador o defendeu com tanto afinco.
A CCJ também tem que ouvir o presidente do Seterb, Rudolf Clebsh, os guardas de trânsito envolvidos e também o vereador João José Marçal, mas também que chamar o vereador Vanderlei de Oliveira para que ele diga quem entregou a gravação no seu gabinete.
Enfim, a partir de agora devemos acompanhar esse caso mais de perto para saber o que ainda não foi esclarecido na Câmara de Vereadores de Blumenau.

FOREST QUER PROCESSO CONTRA MARÇAL



"O país enfrenta uma crise institucional muito forte e o povo brasileiro cada vez mais deixa de crer nas instituições políticas, particularmente no poder legislativo”. A declaração foi feita pelo vereador Jefferson Forest (PT) ao defender o início de processo contra o também vereador João Marçal (PP) por quebra de decoro parlamentar. “Nós vivemos uma crise de representação no país, e esta casa tem que dar uma resposta ao povo blumenauense”, enfatizou Jefferson ao lembrar que “a tese da prova apócrifa, cai por terra, quando em entrevista ao jornal de Santa Catarina no dia 7 de maio, o vereador assumiu que a declaração dele era legal, que teve o debate com os guardas do Seterb”.
Conforme o petista, “o vereador Marçal, que é reincidente, no ato de abusar de um poder que não tem, também reafirma na mesma entrevista ao JSC que conversou com o presidente do Seterb, admitindo que prejudicaria o órgão. Ele é réu confesso, e ameaçou o presidente do Seterb, o que já caracteriza a quebra de decoro”.
O trecho acima relata algumas partes do pronunciamento do vereador do PT pedindo a abertura de processo ad cassação contra Marçal.
Ele está no direito de pedir a abertura do processo, mas em virtude dos novos acontecimentos, não dá para absolver nem condenar o vereador Marçal antes de um parecer final.
Na verdade, tudo isso virou um grande jogo político, onde um fez o que não devia, e o outro quer por que quer se capitalizar em cima do ocorrido.
Eu, como um profissional de comunicação, prefiro primeiro observar, para depois dar a minha opinião, pois no meio desse jogo, há muitas armadilhas.

MARÇAL RESPONDE PARA FOREST



Em resposta à acusação de Jefferson Forest (PT), dizendo que ele, Marçal, é réu confesso no episódio com a Guarda de Trânsito, o progressista pediu que o colega se dirija a ele com “termos e adjetivos dignos”. Ao mesmo tempo, citou o caso do prefeito de Gaspar, Celso Zuchi (PT) que pediu a liberação do veículo da esposa, apreendido em Blumenau, pelo Seterb, por estar com o licenciamento vencido. O pedido do petista foi atendido em Blumenau.
Situação similar aconteceu no município onde Zuchi comanda o Executivo. Zé Marçal mostrou na tribuna o Termo de Audiência do Ministério relatando um episódio em que um amigo do prefeito teve o caminhão apreendido, também por licenciamento vencido. Na situação, Celso Zuchi mandou liberar o veículo e, diante da negativa dos guardas, “exigiu que fosse respeitado e tivesse suas ordens cumpridas”, conforme contou o vereador Marçal.
Diante do episódio envolvendo o petista da cidade vizinha, Marçal pediu: “Quando se dirigir a mim, não use adjetivos que não façam parte da minha índole e do meu caráter. O que eu faço é defender a comunidade”.
Depois dessa queda de braço entre o PT e o vereador Marçal, começam a aparecer também algumas ações não muito normais envolvendo o Seterb, o prefeito de Gaspar e também a guarda de trânsito da cidade vizinha.
O bom do desentendimento político é que a gente acaba descobrindo podres dos dois lados.
Então cabe a este blogueiro e apresentador de rádio ouvir todas essas pessoas no programa Passando a Limpo, da Rádio Blumenau AM 1260.
Quem quiser saber as justificativas deles, ouça o programa.

PELA CASSAÇÃO



Na tarde de segunda-feira, o Promotor Marcio Branco Gouveia, de Criciúma, deu seu parecer favorável pela cassação do diploma do prefeito de Içara, Gentil da Luz (PMDB), e do seu vice, José Zanolli (DEM). A ação foi ajuizada pelo PP, que denunciou a existência de caixa dois na campanha do peemedebista. O parecer do promotor foi detalhado em oito páginas, que vai agora para análise do juiz eleitoral, que deverá dar sentença até o final da semana.
Gentil da Luz é o mesmo citado por Nei Silva no caso da Revista Metrópole, onde ele era o Secretário Regional de Criciúma que, segundo Nei, era o responsável pela busca de recursos em parceiros do governo do estado para a publicação da Revista que enaltecia as ações do então vice-governador Eduardo Pinho Moreira.
Abaixo, segue um trecho do parecer do promotor Márcio Gouveia:
"É evidente a existência de caixa dois montado pelos representados Gentil da Luz e José Zanolli, constatado pelas doações recebidas e pagamentos efetuados em desacordo com o declarado pelo representado Gentil Dory da Luz na prestação de contas apresentada à Justiça Eleitoral, como valores inferiores ao efetivamente gasto".

BOM EXEMPLO

A Prefeitura de Forquilhinha, no sul do estado, montou uma equipe de 12 técnicos para preparar projetos para captação de recursos nos Governos Federal e Estadual. Os primeiros resultados já apareceram. Os técnicos pesquisam e buscam informações para identificar onde tem recursos disponíveis, registram o pleito da cidade e montam os projetos de acordo com as exigências.
Isso prova que não é necessário muita gente para fazer um bom trabalho numa prefeitura. Basta ter inteligência e gente que entenda do ramo, caso contrário fica-se correndo para Brasília, com pires na mão, atrás de recursos que nunca virão.

CCJ ANALISA PROJETO SOBRE DIVULGAÇÃO DE PUBLICIDADE

A Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Câmara de Blumenau analisou uma pauta de 14 projetos nesta terça-feira. Entre os encaminhados para Parecer Jurídico está o Projeto de Lei n.º 5.707, de autoria do vereador Jefferson Forest (PT), que determina a divulgação dos valores de produção e execução em todas as peças de publicidade pagas com recursos municipais.
Segundo a proposta, todas as peças de divulgação do Executivo, produzidas e executadas por terceiros ou por órgão da administração direta ou por entidade da administração indireta, deverão informar os valores pagos com recursos municipais para a produção e veiculação. Os valores serão informados mesmo quando produzidos por órgãos da administração pública e expresso de forma clara e legível. A matéria considera peças de divulgação: jornais; boletins; editais; rádio; televisão; outdoor; páginas na internet; outras formas de publicidade e propaganda.

PP LANCA CANDIDATO PARA 2010



O PP de Santa Catarina vai lançar, num evento na próxima segunda-feira, às 19:00 horas na Tapyoka Centro de Eventos, em Timbó, a pré-candidatura do ex-deputado Hugo Biehl para o governo de Santa Catarina em 2010.
Estarão presentes o deputado federal João Pizzolatti, o deputado estadual e presidente da sigla no estado, Joares Ponticelli, prefeitos, lideranças e filiados do PP das cidades de Gaspar, Blumenau, Pomerode, Indaial, Timbó, Rio dos Cedros, Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rodeio, Apiúna e Ascurra.
Essa estratégia visa colocar o partido na vitrine para tentar, mais tarde, trazer o PSDB e o DEM para junto dos progressistas.
O foco do PP, em 2010, é bater o PMDB para dar o troco das eleições de 2002, 2006 e 2008, quando Amin foi derrotado duas vezes por Luiz Henrique e uma vez para Dário Berger.
O grande arquiteto dessa engenharia é o presidente do PP em SC, deputado Joares Ponticelli.

IDELI E O PMDB



Na solenidade em que tomou posse como líder do governo Lula no senado, na tarde de ontem, a senadora Ideli Salvatti (PT) anunciou sua intenção de tentar uma aproximação entre PMDB e PT. A relação entre os dois partidos estava estremecida desde a eleição para a Presidência do Senado. “Uma das minhas tarefas, até porque esse é o desejo do presidente Lula, é de que seja retomada a boa convivência entre PMDB e PT no Senado”, disse a líder. “Estou honrada de aceitar o convite, mas sei que terei muitos desafios pela frente; o importante é dar governabilidade ao presidente e isso se faz com muito diálogo e habilidade”.
Essa aproximação com o PMDB deve não só garantir a governabilidade de Lula, mas também tentar fazer com que o governador Luiz Henrique comece a ver o PT com uma visão diferente. Isso porque Luiz Henrique pode precisar da influência petista no seu caso de cassação. Se a cassação realmente ocorrer, a tríplice aliança pode querer trocar o próprio PMDB pelo PP, o que deixaria os peemedebistas sem muita saída.
E é nisso que Ideli está apostando.




Sérgio Eduardo de Oliveira – 20/05/2009


Nenhum comentário:

Postar um comentário