segunda-feira, 3 de agosto de 2009

O SENADO QUE SE EXPLODA

Meus amigos, nesse mês que fiquei só observando tudo que acontecia em Blumenau e no Brasil, acabei pegando um asco tão grande da política que me perguntei se valia a pena continuar escrevendo sobre todos esses imbecis que hoje ocupam cargos públicos em todas as esferas de governo.
De dois em dois anos eu e todos os eleitores vamos lá votar, com a esperança de um dia termos um pouco de respeito dos governantes, e eles sempre acabam defecando em nossas cabeças.
Não sei se com o avanço do tempo a gente acaba ficando de saco cheio de ser, ano após ano, enganado e roubado legalmente por toda essa gente que se diz representante do povo.
Mas não vou desistir não, porque é realmente isso que eles querem. Que o pessoal honesto desista e eles tomem conta de todos os espaços. Se depender de mim, eles morrerão secos e apodrecidos, de preferência no fundo de uma cela fedorenta, lugar que eles já deveriam estar.
Ano que vem vamos ter, mais uma vez, a oportunidade de colocar essa gente para fora. Se não fizermos, seremos nós que acabaremos na sarjeta.
Pensem nisso!

A TRÍPLICE VAI SAIR

Podem avisar ao PP e ao PT que a polialiança vai se entender em mais uma eleição. Segundo os caciques do PSDB, PMDB e DEM, a coisa só tinha chance de desandar se o Governador Luiz Henrique tivesse sido cassado.
Mas ainda há aquela situação de três nomes para duas vagas, ou seja, Pavan, Colombo e Pinho Moreira tem que se entenderem de uma vez por todas.
Pelo que ouvi nos últimos dias, os três lançam candidatura própria, mas um com a mira certa na vaga de candidato a governador, outro apostando ser vice do primeiro e o terceiro querendo a segunda vaga para o Senado.
Como Pavan vai assumir o governo em janeiro de 2010, vai ser difícil tirar dele a cabeça de chapa, até porque vai receber uma exposição na mídia infinitamente maior que os outros dois. Bornhausen já admitiu que pode aceitar que Colombo seja o candidato a vice governador, desde que o partido seja beneficiado com isso. E por incrível que pareça, Pinho Moreira quer mesmo ser companheiro de senado de Luiz Henrique. Ele mesmo sabe que a única chance disso acontecer é ele dificultando a composição majoritária. Vai acabar recebendo o que quer.
As cartas estão marcadas e tudo isso só não vai acontecer se Pavan, Luiz Henrique e Jorge Bornhausen não quiserem. Qualquer outro que falar alguma coisa diferente disso, está jogando verde para colher maduro.

PASSEATA

Hoje, às 9 da manhã, na rua XV de Novembro, acontece em Blumenau uma passeata de protesto contra o descaso da Secretaria de Segurança Pública de SC, leia-se Secretário Ronaldo Benedet (PMDB), para com a cidade.
A manifestação foi organizada pelo vereador Jovino Cardoso Neto (DEM) e tem ao apoio de órgãos da imprensa local e também de alguns outros vereadores e entidades de classe.
Provavelmente poucas autoridades deverão participar da passeata para não baterem de frente com o Governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) e também com o prefeito de Blumenau, João Paulo Kleinubing (DEM).
Os casos mais evidentes ficam por conta do presidente da CDL local, Marcelino Campos, e também com o presidente da Acib, Ronaldo Baumgarten Filho.

PLACAR FINAL1

Não que eu ache que essa manifestação seja a salvação da lavoura, mas toda a manifestação “popular” tem que ser respeitada e analisada de vários contextos.
Primeiro que os vereadores de Blumenau pegaram uma mania de fazer audiência pública para tudo e a passeata pode se tornar mais um instrumento de manobra para que alguns deles, que pretendem ser candidatos em 2010, apareçam na mídia como verdadeiros salvadores da pátria.
Pelo menos, nesses primeiros sete meses de mandato, nenhum deles disse para que veio. A câmara de vereadores de Blumenau, na minha opinião, não passa de um lugar onde uns dizem amém para um santo, enquanto outros tentam malhar o Judas.

PLACAR FINAL 2

Ninguém faz nada pelo esporte, que perdeu 30% da sua verba anual, e nem pela educação das crianças de hoje, que, se continuarmos com as mesmas políticas públicas para esse setor, teremos muitos delinqüentes oriundos desse sistema educacional.
E quando um deles entrar na casa de um vereador, aí vão dizer que a polícia não faz o seu trabalho.
Mas cadê a responsabilidade desses políticos, que se preocupam em fazer assistencialismo, como o vereador Zeca Bombeiro (PDT), e ainda acharem normal esse tipo de coisa só porque sempre aconteceu desse jeito.
Ora senhores, tenham a santa paciência.
Um dia Deus castiga!

SEGURANÇA PÚBLICA 1

A senadora Ideli Salvatti (PT) revelou dados preocupantes na abertura da etapa catarinense na 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública, realizada na semana passada na Academia de Polícia Civil, em Florianópolis. Ela reconheceu os avanços ditos nos discursos das demais autoridades, mas salientou o alto número de homicídios no Estado. Somente no primeiro semestre deste ano, Santa Catarina teve 16 cidades que ultrapassaram o máximo considerado aceitável pela Organização das Nações Unidas (ONU), que é de 10 mortes para cada 100 mil habitantes. Florianópolis, com um índice de 17,64, proporcionalmente é a capital com mais assassinatos no Sul do Brasil. Em Porto Alegre a taxa é de 15,5 e em Curitiba de 15,9.

SEGURANÇA PÚBLICA 2

A Organização Mundial de Saúde (OMS), órgão da ONU que estipulou o limite, avalia que os índices com mais de 10 casos por grupo de cem mil habitantes vivem uma “epidemia de assassinatos”. Os 15 municípios catarinenses com taxa de homicídios acima do aceitável abrigam 1,9 milhão de habitantes (cerca de 30% da população). O caso mais grave está em Camboriú, no Litoral Norte, onde ocorreram 74,9 registros por grupo de cem mil habitantes no período analisado. Na sequência aparecem Navegantes (53,19), Biguaçu (37,42) Itajaí (34,31), Balneário Camboriú (27,56%), São José (24,38%), Caçador (23,68%), Gaspar (19,07), Palhoça (17,96) e Florianópolis.

TOMELIN PROPÕE MUDAR O NOME DO PALÁCIO BARRIGA VERDE

O Deputado Estadual Giancarlo Tomelin (PSDB) está propondo mudar o nome do Palácio Barriga Verde, a casa de leis do estado, para Casa do Povo Barriga Verde.
O nome atual foi promulgado em 12 de maio de 1972 através do artigo 1º da resolução 73 daquele mesmo ano.
Para Tomelin, nos tempos atuais, onde hoje já não se tem mais nobres, reis e imperadores e que se combate diariamente todos os tipos de déspotas, inclusive das ideias, da liberdade, do diálogo, da diversidade, da pluralidade e da democracia, é no mínimo incoerente que uma casa de leis, feita de representantes do povo, legitimados pelo voto popular e livre, seja chamada e conhecida como Palácio.
Tomelin não quer negar a memória, a história e as origens da denominação do Palácio Barriga Verde, mas sim dar a ele a verdadeira essência da sua existência e homenagear as pessoas que fazem o Estado de Santa Catarina.
A idéia não é de todo ruim, tendo em vista que o que vale é a intenção de baixar a crista daqueles que acham que são os patrões, quando na verdade são empregados.

FIM DA FIDELIDADE



Tramita na Câmara o Projeto de Lei 5260/09, do deputado Dr. Talmir (PV-SP), que proíbe as empresas de incluir cláusulas de fidelização nos contratos com consumidores. O projeto também proíbe a fixação de prazo mínimo de vigência de contrato (que obriga o consumidor a manter o vínculo com a empresa por determinado período) e proíbe a cobrança de multa em caso de cancelamento antecipado de contrato. A proposta altera o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).
As mudanças propostas pelo deputado têm como alvo os contratos de serviço direto ao consumidor, como de telefonia ou de TV a cabo, nos quais a fidelização é uma prática de mercado.
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Defesa do Consumidor; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

EXPERIÊNCIA PARA DOMÉSTICAS



A Câmara analisa o Projeto de Lei 5140/09, do deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), que permite o contrato de experiência na relação de trabalho doméstica. A proposta altera a Lei 5.859/72, que regula a profissão do empregado doméstico.
Após citar que a matéria é controversa na doutrina e na jurisprudência, o autor argumenta que mesmo os especialistas em Direito do Trabalho contrários a esse tipo de contrato no trabalho doméstico reconhecem não haver incompatibilidade com o tipo de relação de emprego. "Eles defendem a não aplicabilidade apenas por absoluta falta de previsão legal", diz Carlos Bezerra.
Segundo o deputado, sendo quase unânime o entendimento favorável à compatibilidade, a aprovação da proposta servirá para evitar questionamentos a respeito da aplicação desse tipo de contrato de trabalho.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 04/08/2009

4 comentários:

  1. Sérgio:

    Como falas mau de políticos se acabasse de assumir uma bocada no mandato do Tomelin? As coisas correm e nós ficamos sabendo.
    Te igualasse no discurso e na prática.
    "Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço".

    ResponderExcluir
  2. Sergio, Bom dia ! Vais sempre encontrar estas merdades de políticos. Devias ter assistido a TV SENADO. Fiquei até as duas e meia da manhã, assintindo a palhaçada. Minha proposta é dar uma arma, forte e pesada, para cada político e deixar se matarem. O que sobrar, matamos nós.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Sérgio, porque naum falas que agora trabalhas pra um politico? Se sentes tanto asco a ponto de escrever essas barbaridades, naum devias trabalhar no meio, né? E pior é naum divulgar isso e agente saber por outros blogs.

    ResponderExcluir
  4. Sérgio Eduardo de Oliveira5 de agosto de 2009 17:46

    Meus Amigos,

    Não sei nem quero saber quem me questionou sobre meu trabalho com o Deputado Tomelin. Mas quero dizer que essa assessoria que estou fazendo para o Tomelin é igual a todas as outras que fiz e que ainda faço para empresas e pessoa física. Não estou recebendo salário da assembléia e quem está pagando pelos meus serviços é a ampresa do deputado.
    E, só como informação, faço esse serviço apenas por meio período, tendo metade do meu dia preenchido por outro trabalho como qualquer um de voces.
    Enfim, acho que devia essa explicação para todos.

    abraços,

    Sérgio

    ResponderExcluir