segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A OKTOBER NO SÁBADO



No último sábado fui para a Oktoberfest. Cheguei por volta das 23 horas e saí de lá aproximadamente às 3 horas de domingo. Acabei ficando a maior parte do tempo no setor 3 e tanto a banda que tocou as músicas alemãs quanto o DJ, que começou às 1h30min, fizeram o público pular e dançar sem brigas e confusão.
Como mostram as fotos acima, o pavilhão estava cheio e muito divertido. Foi uma noite de diversidades musicais que agradou todo mundo. A grande pergunta que fica é como será o próximo fim de semana, com o feriado e provavelmente muito mais gente dentro e fora da festa. Viveremos um fim de semana com cidade repleta de turistas e muito engarrafamento.
Tomara que não chova e que a festa continue com a mesma qualidade destes primeiros dias.

A PESQUISA RBS

A pesquisa feita pelo Grupo RBS entre os dias 23 e 27 de setembro teve oito cenários diferentes. Veja os resultados abaixo.

Ângela Amin (PP) – 26,6%
Leonel Pavan (PSDB) – 20,6%
Ideli Salvatti (PT) – 19,6%
Gerson Basso (PV) – 1,7%
Branco/nulo – 8,1%
Não sabe/Não respondeu – 23,3%

Ideli Salvatti (PT) – 24,5%
Raimundo Colombo (DEM) – 24,2%
Hugo Biehl (PP) – 5,8%
Afrânio Boppré (PSOL) – 3,1%
Branco/nulo – 10%
Não sabe/Não respondeu – 32,5%

Ângela Amin (PP) – 29,5%
Ideli Salvatti (PT) – 23,6%
Eduardo P. Moreira (PMDB) – 6,6%
Maneca Dias (PDT) – 1,1%
Branco/nulo – 9,1%
Não sabe/Não respondeu – 30,1%

Ideli Salvatti (PT) – 27,2%
Dário Berger (PMDB) – 12,9%
Hugo Biehl (PP) – 7,6%
Gerson Basso (PV) – 2,8%
Branco/nulo – 10,7%
Não sabe/Não respondeu – 38,9%

Ângela Amin (PP) – 24,8%
Ideli Salvatti (PT) – 22,6%
Raimundo Colombo (DEM) – 19,1%
Maneca Dias (PDT) – 0,3%
Branco/nulo – 8,1%
Não sabe/Não respondeu – 25,1%

Ideli Salvatti (PT) – 25,7%
Leonel Pavan (PSDB) – 20,8%
Hugo Biehl (PP) – 6,9%
Afrânio Boppré (PSOL) – 2,2%
Branco/nulo – 10,6%
Não sabe/Não respondeu – 33,8%

Ângela Amin (PP) – 27,5%
Ideli Salvatti (PT) – 23,7%
Dário Berger (PMDB) – 9,2%
Gerson Basso (PV) – 1,9%
Branco/nulo – 8,5%
Não sabe/Não respondeu – 29,2%

Ideli Salvatti (PT) – 29,1%
Hugo Biehl (PP) – 8,3%
Eduardo P. Moreira (PMDB) – 7,5%
Maneca Dias (PDT) – 1,2%
Branco/nulo – 12,7%
Não sabe/Não respondeu – 41,2%

O PROFETA 1



Como eu já havia publicado no blog na semana passada, os números da pesquisa feita pelo Grupo RBS para o governo do estado mostrou a deputada Ângela Amin (PP) na frente de todos os demais concorrentes.
Esses números da RBS apenas confirmaram os números das pesquisas que três grandes partidos de SC já sabiam.
Hoje, em qualquer cenário, Ângela seria uma das candidatas que estaria num eventual segundo turno.
Mesmo na conversa que tive com Esperidião Amin, e a publiquei no fim de semana, ele já se mostrava confiante na liderança da sua esposa.
Veja o que Amin disse na semana passada: “Quase todos os partidos dispõem de pesquisas. Pelo que sei, em todas a Ângela lidera”.
Isso mostra porque o casal Amin insiste em querer Ângela como candidata do PP em 2010.

O PROFETA 2

Até porque, Hugo Biehl, mesmo sendo o nome escolhido para dar oxigenada ao partido e futuramente se consolidar como uma grande liderança estadual, não consegue acompanhar o ritmo necessário para que o PP catarinense possa ter um maior poder de barganha perante outras siglas numa eventual coligação.
A maior porcentagem conseguida por Biehl, 8,3%, foi num cenário onde somente a senadora Ideli Salvatti (PT), comparado com os demais cenários, pode ser considerada como forte candidata.
Os demais, Eduardo Pinho Moreira (PMDB) e Manoel Dias (PDT), são vistos como candidatos participantes.

ANÁLISE NUA E CRUA 1



A pesquisa publicada pela RBS mostra alguns pontos importantes no atual cenário político para o governo do estado. Primeiro que Ângela Amin (PP) e Ideli Salvatti (PT) são as preferidas do catarinense, mas será que conseguirão crescer mais até outubro do ano que vem?
Mostra também que, hoje, o prefeito Dário Berger tem mais votos do que o presidente do PMDB, Eduardo Pinho Moreira, mesmo Eduardo tendo o apoio do partido e aparecendo mais que Berger.
Viu-se também que Raimundo Colombo (DEM) está mais forte que Leonel Pavan (PSDB) na disputa pela cabeça de chapa da tríplice aliança. Mas vale lembrar que Pavan vai assumir o governo estadual em 2010 e deve ter mais lenha para queimar dessa disputa interna.

ANÁLISE NUA E CRUA 2

Uma coisa é certa. A próximo nome que vai assumir o cargo de governador do estado de SC está entre Ângela Amin, Ideli Salvatti, Raimundo Colombo e Leonel Pavan e a escolha ocorrerá somente num segundo turno.
Só se acontecer algo sobrenatural, o que não acredito, é que teremos um quinto nome nessa relação.
O fato é que, tanto situação quanto oposição, estão em pé de igualdade nessa disputa. O que vai fazer a diferença nessa corrida é como vai agir a administração estadual em 2010 e com quem PP e PT vão se juntar nas eleições do ano que vem. Quem souber jogar melhor, leva.
Mas não podemos deixar de considerar o grande número de pessoas que ainda não sabem ou não responderam a pesquisa. Todos passam da casa dos 20%; mais que suficiente para decidir uma eleição.

NA ESPONTÂNEA



A pesquisa também trouxe alguns dados bastante interessantes. Mostrou que, na espontânea, o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), mesmo não podendo mais concorrer, aparece em primeiro na disputa pelo cargo de governador com 3,2%.
Se os números dessa pesquisa espontânea forem vistos como popularidade de cada candidato, apenas Luiz Henrique (PMDB), Ideli Salvatti (PT) e Raimundo Colombo (DEM) passaram dos 2%. Os demais acabaram abaixo dessa posição. Nesse mesmo cenário, Esperidião Amin (1,9%) e Ângela Amin (1,2%), juntos, somam 3,1%, confirmando a força do casal na política catarinense.
As decepções ficaram por conta do vice-governador Leonel Pavan (PSDB), com 0,8%, e Eduardo Pinho Moreira (PMDB), com 0,4% da intenção de voto.

CURIOSIDADES

Os outros indicativos da pesquisa mostraram que 9% dos catarinenses acham ótimo o desempenho do governo Luiz Henrique e que 41,2% avaliam como boa a atual administração, chegando ao número de 50,2% de aprovação.
55,6% dos catarinenses elegeram saúde (26,7%), emprego (18,4%) e segurança pública (10,5%) como prioridades para o próximo administrador.
Já a educação (7%), corrupção (6,6%) e esgoto tratado (5,8%) não apareceram como prioridades para o catarinense. Já turismo (1%) e cultura e lazer (1,4) foram pouco lembrados pelos entrevistados.
Isso reflete a insegurança que o catarinense tem com a atual economia estadual e a falta de estrutura e planejamento que as áreas de saúde e segurança pública deixam transparecer.
O curioso é que ambas as secretarias são administradas por dois deputados estaduais: Dado Cherem (PSDB) e Ronaldo Benedet (PMDB).

DESTINOS



Até a semana passada, o presidente do PMDB, Eduardo Pinho Moreira, posava de homem forte do PMDB para a disputa de 2010, conversando num dia com a senadora Ideli Salvatti (PT) e no outro com o vice-governador Leonel Pavan (PSDB). Agora, com números bastantes aquém do que os peemedebistas esperavam, pode ficar com poder de barganha baixo e ter que se enquadrar na decisão do Governador Luiz Henrique. Até porque, seu companheiro de partido Dário Berger, prefeito de Florianópolis, tem melhor desempenho no atual cenário político catarinense do que Pinho Moreira.
Já de Leonel Pavan esperava-se um desempenho melhor do que o mostrado. Isso pode levar Jorge Bornhausen, manda chuva do DEM, a usar como trunfo o melhor desempenho de Raimundo Colombo para ter a cabeça da chapa da tríplice aliança. E depois dessa primeira rodada de pesquisas, tanto DEM quanto PSDB podem preferir o PP, de Ângela Amin, do que o PMDB de Pinho Moreira e Dário Berger.
Afinal, para todos os partidos, os números, mesmo que provisórios, são levados a sério e analisados com muita frieza.

ELEIÇÕES NO PMDB 1

Como já era esperado a turma de Renato Vianna acabou ficando mais uma vez com o comando do PMDB de Blumenau. César Botelho, genro de Renato, continuará na presidência, tendo como primeiro vice o vereador Roberto Tribéss e segundo vice o ex-vereador José Luiz Clerici. Como acontece há anos, Edi Marchetti, ex-superintendente de educação do estado na região, continua junto, mesmo a turma de Vianna tendo atrapalhado a candidatura de Odinéia Marchetti, sua cunhada, para a Assembléia em 2002, jogando Rufinus Seibt para disputar votos com Odinéia na região e acabando tomando-lhe os 5 mil eleitores que faltaram para a sua vitória.

ELEIÇÕES NO PMDB 2



Outra figura que eu não entendo como está junto com a turma de Renato Vianna é o Eliomar Russi, candidato a vereador em 2008. Mesmo a atual direção do PMDB de Blumenau tendo tirado o seu tio, o ex-vereador Ivo Hadlich, do comando da Fundação Cultural para colocar a suplente de vereadora Marlene Schlindwein, ele aparece como o Secretário Adjunto da chapa. O pior é que Ivo ficou sabendo da mudança pela imprensa. Eliomar hoje é Diretor Administrativo-Financeiro na Prefeitura de Blumenau.
Mas esses são os soldados do PMDB, que mesmo tendo que engolir alguns sapos, se sujeitam a isso em troca de um bom emprego.





Sérgio Eduardo de Oliveira – 05/10/2009

Um comentário:

  1. Eliomar Russi (Mazinho)5 de outubro de 2009 10:36

    Amigo Serginho, permita-lhe chamá-lo publicamente assim, da mesma forma carinhosa que o conheci quando ainda eras uns dos soldados do nosso partido. Mas, penso de que infelizmente você faltou com a verdade ao publicar a nota "Eleições no PMDB 2", pois, és testemunha, e diante disto, deverias relembrar aos teus inúmeros e bem informados leitores, de que em 2003, aos 23 anos de idade, eu fui um dos idealizadores da então chapa de oposição ao Diretório, ocasião na qual, inclusive, muitos dos que ontem estavam na liderança da Chapa 2, naquela época, estavam juntos com a atuação direção do Partido. Pois bem, na oportunidade, através do voto dos companheiros, alcançamos um percentual considerável de cadeiras no Diretório Municipal, atingindo os nossos objetivos. Inclusive, vale lembrar, de que eu era o Coordenador da Assessoria para Assuntos da Juventude, e mesmo assim, mantive nossa chapa na disputa, sem problema algum, inclusive pós-eleição, até porque, quem me conhece sabe do meu caráter e da minha dignidade. Na convenção de ontem, almejamos a unidade do partido, e ao lado, tanto de companheiros históricos como o ex-Presidente da Câmara Ivo Hadlich, como dos inúmeros filiados que vêem nos auxiliando na renovação do partido, buscamos nesta verdadeira festa da democracia, idealizar um PMDB para todos, e, desta feita, a própria composição do Diretório e conseqüentemente da nova Executiva já demonstram isto, onde honrosamente foi me atribuída a função mencionada pelo nobre amigo! Vale ressaltar de que continuarei sendo um admirador do belo trabalho que realizas, até porque sei respeitar as opiniões divergentes, mas, como premissa que tenho em minha vida, espero que a verdade sempre prevaleça! Cordialmente, Eliomar Russi (Mazinho).

    ResponderExcluir