segunda-feira, 9 de novembro de 2009

DESAPEGO 1

Neste mês de novembro completa um ano o desafio do economista inglês, Mark Boyle, de viver sem usar dinheiro algum para sobreviver.
Em um artigo do jornal Guardian, Mark contou que escova os dentes com uma pasta feita de conchas e sementes de erva doce, trocou papel higiênico por jornal velho, planta a própria comida e usa energia solar para carregar o notebook e o celular (que só atende ligações) trazidos da época em que ainda ia às compras. Ele estacionou seu trailer em uma fazenda inglesa de orgânicos (em troca de dias de trabalho) e resolveu ficar sem gastar nem um centavo por um ano para chamar atenção para questões ambientais. Mark diz que o dinheiro é uma ferramenta que distancia o consumidor dos produtos, ocultando o impacto de cada compra.

DESAPEGO 2

Mal sabe ele que muitos brasileiros vivem da mesma maneira há muito tempo. Se ele fizesse esse desafio no Brasil, poderia pelo menos ganhar um troco com o Bolsa Família, o Vale Gás e outras formas que o governo federal encontrou para manter vivos aqueles que não escolheram viver como Mark.
Mas como disse o Tonel na sua coluna do Jornal folha de Blumenau, é muito melhor manter uma favela do que perder os votos dos pobres, e se tem uma coisa que pobre tem mais que rico é voto dentro de casa.
Então, viva o assistencialismo.

DROGAS, NEM PENSAR

Li que o governo Lula promete liberar R$ 77 milhões até o fim de 2010 para a abertura de mais 92 Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) e para a criação de mais 2.325 leitos psiquiátricos em hospitais gerais para ajudar as pessoas dependentes de drogas.
Mas o foco principal para o aumento do consumo de drogas no Brasil não são os viciados, mas é a facilidade com que os traficantes entram com grandes carregamentos desses entorpecentes sem que nenhuma polícia de fronteira os perturbe.
O Brasil não planta e nem fabrica drogas de nenhuma espécie e é considerado um dos grandes exportadores para a Europa e Estados Unidos.
Não condeno os investimentos para recuperar viciado, mas tem-se que melhorar a vigília de quem entra ou sai do Brasil. Daqui a pouco seremos também a rota fácil de armamentos e terroristas contra os americanos e europeus.
E aí o bicho vai pegar.

PIRIQUITO MARCA TERRITÓRIO

Para mostrar para os tucanos de Balneário Camboriú, em especial para o vice-governador Leonel Pavan, que o PMDB manda realmente na cidade, o prefeito Edson Piriquito inaugurou no último sábado um busto de Ulisses Guimrães.
O busto, confeccionado em fibra de vidro pelo artista plástico Werner, de Treze Tílias, tem mais de um metro de altura e foi colocado junto ao complexo Cristo Luz. Estiveram presentes o governador Luiz Henrique, o presidente estadual do PMDB, Eduardo Pinho Moreira,e várias lideranças do partido.
Mas o assunto principal nos discursos não foi Ulisses Guimarães, mas sim o apoio à candidatura de Moreira ao cargo de governador em 2010.
Exceto Luiz Henrique, todos defendem que o PMDB tem que ter candidato nas eleições do ano que vem. Seja como cabeça de chapa da tríplice ou com candidatura própria.
Pelo que parece, em Balneário Camboriú peemedebistas saem na frente dos tucanos nessa corrida eleitoral.



Sérgio Eduardo de Oliveira – 09/11/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário